Política
Compartilhar

Dallangnol diz que STF deve esclarecer o foro para deputado e senador

O procurador da República Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato, em Curitiba, disse hoje (9), em Sã..

Agência Brasil - 09 de maio de 2018, 18:28

CURITIBA, PR, 18.11.2016: OPERAÇÃO-LAVA JATO - O procurador da República Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa do Ministério Público Federal na Operação Lava Jato, anuncia a devolução de R$ 204.281.741,92, desviados do cofre da Petrobras, na sede do Ministério Público Federal em Curitiba. O montante foi recuperado em acordos da Lava Jato. (Foto: Theo Marques/Folhapress)
CURITIBA, PR, 18.11.2016: OPERAÇÃO-LAVA JATO - O procurador da República Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa do Ministério Público Federal na Operação Lava Jato, anuncia a devolução de R$ 204.281.741,92, desviados do cofre da Petrobras, na sede do Ministério Público Federal em Curitiba. O montante foi recuperado em acordos da Lava Jato. (Foto: Theo Marques/Folhapress)

O procurador da República Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato, em Curitiba, disse hoje (9), em São Paulo, que a decisão sobre a restrição do foro privilegiado para deputados federais e senadores precisa ser esclarecida pelo Supremo Tribunal Federal (STF) sob risco de virar uma decisão em que se “dá com uma mão e se tira com a outra”.

“Muitas pessoas comemoraram essa decisão do foro ou para o caixa 2. Mesmo a corrupção pode ser direcionada para o caixa 1. Um dinheiro que tem como origem a venda do serviço público pode ser passado para o político disfarçado de doação eleitoral. A questão da origem é diferente da questão do destino. Quando um dinheiro constituir caixa 2 eleitoral foi usado em campanha, ainda assim ele pode ter como origem a corrupção. E se teve como origem ou se essa é uma hipótese, isso deve ser investigado e a competência para investigar isso é a justiça comum não a justiça eleitoral”, disse.