Damares defende indicação de Eduardo Bolsonaro: “é um menino culto”

Marina Dias - Folhapress

dfamares bolsonaro

Em viagem aos Estados Unidos, a ministra Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos) defendeu nesta terça-feira (16) a virtual indicação de Eduardo Bolsonaro ao cargo de embaixador do Brasil em Washington e disse que o presidente Jair Bolsonaro terá “capacidade de discernimento e inteligência” para fazer a escolha.

Desde a semana passada, quando o presidente afirmou que nomearia o filho para o cargo de maior prestígio da diplomacia brasileira no exterior, oposição e aliados -inclusive o escritor Olavo de Carvalho, guru ideológico do governo- têm criticado a possível indicação.

Damares, por sua vez, afirmou em entrevista a uma rádio de Miami que Eduardo é “um menino culto e inteligente”, considerado por ela uma das pessoas “mais capacitadas do Brasil”.

Acrescentou ainda que não há nepotismo caso o movimento se concretize -defensores da medida afirmam que uma indicação política não se enquadra nesse quesito.

“Primeira coisa que temos que falar é que não existe nepotismo nessa indicação. Segundo, é possível um civil que não seja da carreira diplomática ser embaixador? Claro que é. A lei prevê isso.

Terceiro, e se ele for indicado, o presidente está errando? O presidente está escolhendo uma das pessoas mais capacitadas no Brasil”, afirmou Damares à Nossa Rádio USA.

“Estou tranquila com a decisão do meu presidente, seja qual for a decisão que ele tomar, acredito na capacidade de discernimento e na inteligência do meu presidente. E vou parar por aqui: a decisão que o presidente tomar, terá meu aplauso”, completou.

A ministra cumpre agenda em Miami antes de seguir, nesta quarta-feira (17), para a capital americana, onde participa de um evento sobre liberdade religiosa promovido pelo Departamento de Estado dos EUA com autoridades de todo o mundo.

Ainda em defesa de Eduardo, Damares disse que o deputado passou no vestibular de uma universidade federal [UFRJ] e no concurso da Polícia Federal e fala três idiomas.

Como não é diplomata de carreira, Eduardo é alvo de críticas públicas e veladas de integrantes do Itamaraty e ex-embaixadores.

“Um jovem extremamente preparado, menino culto, inteligente, um parlamentar extremamente bem avaliado e hoje na CRE [Comissão de Relações Exteriores] não é uma pessoa que vai entrar nesse universo sem conhecer as relações exteriores”, afirmou a ministra.

O presidente segue na defesa do nome do filho para o posto em Washington. Ele tem o aval do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, mas encontra resistência no Senado.

O nome de Eduardo precisa ser aprovado pelos parlamentares antes de ser oficializado. Aliados do Planalto dizem que o clima não é extremamente positivo para o deputado no Congresso.

Na Embaixada do Brasil nos EUA e mesmo entre parlamentares americanos aliados ao governo Bolsonaro o sentimento é de espera.

Sabem que o modo de governar do presidente muitas vezes é no impulso e no improviso e que a nomeação de Eduardo só deve ser levada a sério quando for publicada no Diário Oficial da União.

Previous ArticleNext Article