Defesa de Eduardo Cunha recorre para que ele cumpra a pena em regime semiaberto

Fábio Buchmann - CBN Curitiba

eduardo cunha - edson fachin - camara dos deputados

Na sessão de julgamento desta quinta na 4ª Seção do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, o desembargador federal Victor Luiz dos Santos Laus fez um pedido de vista do agravo regimental interposto pela defesa do ex-deputado federal Eduardo Cunha. Ele é réu em um processo criminal no âmbito da Operação Lava Jato.

Em março de 2017, a 13ª Vara Federal de Curitiba condenou Cunha a 15 anos e quatro meses de prisão pelos crimes de corrupção, evasão de divisas e lavagem de dinheiro, resultado da denúncia do Ministério Público Federal.

O ex-deputado recorreu da sentença ao TRF4. A corte, em novembro do ano passado, julgou a apelação criminal e manteve a condenação, apenas diminuindo a pena para 14 anos e seis meses de reclusão.

Alegando divergências nas argumentações e na fixação do tempo de pena por parte dos desembargadores que julgaram a apelação na 8ª Turma do tribunal, a defesa do político impetrou o recurso.

No entendimento da defesa, Cunha já cumpriu um sexto da pena e tem comportamento regular dentro do Complexo Médico-Penal (CMP), em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba.

Além disso, segundo a defesa, o ex-deputado fez trabalhos e leituras que o ajudaram a reduzir a pena em 18 dias. Pelo cálculo da defesa, ele teria direito a progredir para o semiaberto desde 23 de julho deste ano.

No entanto o julgamento do recurso deve ser retomado nas próximas sessões da 4ª Seção do tribunal, já que o desembargador Laus pediu vista do processo.

Previous ArticleNext Article