Delator da Carne Fraca que denunciou mesada paga a deputados deixa prisão

Jordana Martinez


Depois de uma decisão da Justiça, o médico veterinário Flávio Cassou, delator da operação Carne Fraca, deixou a prisão onde estava detido desde março deste ano.

Em despacho desta segunda-feira, o juiz Marcos Josegrei, da 14ª Vara Federal de Curitiba, determinou restrições ao acusado. Além de pagar uma fiança de 70 mil reais, Cassou não pode deixar o país, não pode se ausentar da residência sem comunicar às autoridades e deve comparecer à Justiça Federal a cada dois meses para justificar as atividades e manter endereço atualizado.

Delator

Na semana passada, em depoimento ao juiz, Cassou denunciou o deputado federal Sérgio Souza (PMDB-PR), presidente da Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara Federal, de receber uma mesada de R$ 20 mil no esquema da “Carne Fraca”, em que funcionários do Ministério da Agricultura faziam “vista grossa” às irregularidades dos produtos.

Flávio Cassou afirmou que o ex-superintendente do Ministério da Agricultura no Paraná Daniel Gonçalves Filho, repassava os valores a Sérgio Souza. Cassou afirmou ainda que Souza não era o único deputado a receber suborno, mas não revelou outros nomes.
Por meio da assessoria, o deputado Sérgio Souza negou as acusações:

“Nunca mantive contato com nenhum executivo da JBS. Também nunca recebi nenhum valor desse senhor nem mesmo doação da empresa JBS.”

Operação Carne Fraca

A Operação Carne Fraca, deflagrada pela Polícia Federal, teve início em 17 de março deste ano e desarticulou um esquema de corrupção envolvendo fiscais agropecuários e donos de frigoríficos nos estados do Paraná, Minas Gerais e Goiás.

Segundo as investigações da PF, os fiscais alvos da operação recebiam propina das empresas para emitir certificados sanitários sem fiscalização efetiva da carne, o que permitia a venda de produtos com prazo de validade vencido.

Logo que a operação foi deflagrada, o Brasil recebeu 374 comunicados oficiais envolvendo demandas de 93 países. O ministério da Agricultura suspendeu as autorizações para a produção e a exportação de todos os estabelecimentos citados na Operação. Ao todo, foram citadas 21 empresas e recolhidas 762 amostras para análise. Dez delas apresentaram problemas mais graves que poderiam afetar a saúde dos consumidores, como a presença, em sete delas, da bactéria Salmonella, em hambúrgueres.

Após a Operação, 33 servidores foram afastados e 11 processos administrativos disciplinares foram abertos. Os servidores envolvidos que ocupavam cargos de chefia foram exonerados.

Previous ArticleNext Article
Jordana Martinez
Profissional multimídia com passagens pela Tv Band Curitiba, RPC, Rede Massa, RicTv, rádio CBNCuritiba e BandNewsCuritiba. Hoje é editora-chefe do Paraná Portal.