Valeixo sustenta versão de Moro em depoimento à PF

Redação

valeixo depoimento moro pf

O depoimento de Maurício Valeixo sustentou a versão do ex-ministro Sergio Moro. O ex-diretor-geral da PF (Polícia Federal) depôs por mais de de seis horas na Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, nesta segunda-feira (11).

Ele foi um dos ouvidos no inquérito que investiga a suposta interferência política do presidente Jair Bolsonaro na PF. A acusação surgiu no pedido de demissão do ex-ministro.

Valeixo reforçou pontos do depoimento de Moro ao alegar que o presidente não deu razões técnicas para sua exoneração e queria alguém com maior “afinidade” na função. Além disso, o ex-diretor da PF deixou claro que não pediu para sair do cargo. Segundo a repórter Iara Maggioni, da CNN Brasil, Valeixo ainda revelou que foi demitido por telefone.

Valeixo chegou à PF por volta das 9h50 e começou a depôr às 10h, encerrando após às 16h30. Ele foi ouvido por dois delegados e três procuradores, mesma equipe que testemunhou o depoimento de Moro.

Sala em que Valeixo prestou depoimento na PF, em Curitiba. (Colaboração)

INVESTIGAÇÕES APURAM ATUAÇÃO DE BOLSONARO

O inquérito foi autorizado pelo STF (Supremo Tribunal Federal) após pedido da PGR (Procuradoria-Geral da República).

Além de Valeixo, outros dois envolvidos nessa suposta interferência de Bolsonaro na PF são ouvidos hoje. Em Brasília, Alexandre Ramagem, escolhido pelo presidente a assumir a direção-geral da PF e que teve sua nomeação suspensa, e Ricardo Saadi, ex-superintendente da PF no Rio de Janeiro, estão depondo neste momento.

Além deles, outras 10 pessoas serão ouvidas até a próxima quinta-feira (14). Amanhã (12), será a vez de três ministros militares citados por Moro: Walter Braga Netto (Casa Civil), Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo) e general Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional). Depois, seis delegados da PF e a deputada federal Carla Zambelli também prestaram depoimentos.

Contudo, o principal elemento da investigação é o vídeo da reunião interministerial do dia 22 de abril. O governo entregou o vídeo em sua íntegra ao STF e será reproduzido para as partes envolvidas na manhã desta terça-feira (12). Por causa disso, Moro viaja para Brasília na noite de hoje.

Previous ArticleNext Article