Dia da Consciência Negra é ignorado pela Família Bolsonaro e base aliada

Jorge de Sousa e Vinicius Cordeiro

Dia da Consciência Negra - Jair Bolsonaro -

O dia 20 de novembro comemora a Consciência Negra, no qual se reflete como a maior parcela da nossa sociedade está sendo inserida frente as outras etnias. Mas a data não ganhou a atenção do presidente Jair Bolsonaro, seus familiares, base aliada e equipe ministerial.

Dentro da sociedade brasileira, 56,10% da população é negra, o que equivale a 108,9 milhões de pessoas de acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Mas nem mesmo essa parcela da população motivou a equipe de governo a discutir o Dia da Consciência Negra em suas redes sociais. Durante esta quarta-feira (20), diversos temas foram tratados pelo presidente Bolsonaro e sua base aliada, mas apenas a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, fez alguma menção positiva a data.

Damares citou a data durante sua fala para um evento do Ministério, pontuando que sua pasta irá buscar a indenização para alguns quilombolas que tiveram que ser realocados de suas terras.

Já o presidente Bolsonaro utilizou sua conta no Twitter apenas para criticar uma matéria da Folha de São Paulo, que mencionava que o programa Bolsa Família não iria pagar o 13º salário a seus beneficiados.

Entre os filhos do presidente, o Dia da Consciência Negra também não foi mencionado. Com Carlos fora das redes sociais, Flávio demonstrou apoio ao ministro da Educação, Abraham Weintraub, pelas pressões sofridas para sua demissão, enquanto Eduardo parabenizou a data de independência de Omã, sultanato localizado no Golfo Pérsico.

Dentro da base aliada de Bolsonaro no Congresso Nacional, o Dia da Consciência Negra também foi ignorado. Nomes como os deputados federais Bia Kicis (PSL-DF), Daniel Silveira (PSL-RJ), Luiz Philippe de Orléans e Bragança (PSL-RJ), Carla Zambelli (PSL-RJ), Filipe Barros (PSL-PR), assim como a senadora Soraya Thronicke (PSL-MS) não fizeram qualquer menção a data.

Mas receberam espaço nas redes sociais desses parlamentares temas como a crise política na Bolívia, críticas ao STF (Supremo Federal Tribunal) e até mesmo postagens contrárias ao Dia da Consciência Negra.

Nem mesmo o deputado Hélio Lopes (PSL-RJ), também conhecido como Hélio Negão, mencionou a data. Lopes fez apenas uma postagem pedindo maior união entre classes, etnias e sexos.

Dentro da equipe ministerial de Bolsonaro, nomes como Sérgio Moro (Justiça e Segurança Pública do Brasil), Osmar Terra (Cidadania) e Weintraub não fizeram qualquer menção a data, sendo que suas pastas têm ligações diretas com conquistas e desafios da população negra no Brasil, como as cotas raciais e os altos índices de violência policial sofrida por essa parcela da população.

Se o Dia da Consciência Negra não recebeu destaque da equipe do governo em suas redes sociais, o Dia da Bandeira, comemorado no dia 19 de novembro, ganhou bem mais atenção.

De todos os parlamentares e ministros citados, apenas Terra, Barros e Orléans e Bragança não mencionaram o Dia da Bandeira em suas redes sociais.

Previous ArticleNext Article