Política
Compartilhar

Justiça nega pedido de Dilma para visitar Lula

Atualizado 14:49A juíza federal Carolina Lebbos, responsável pela execução penal de condenados na Operação Lava J..

Andreza Rossini - 23 de abril de 2018, 12:19

Atualizado 14:49

A juíza federal Carolina Lebbos, responsável pela execução penal de condenados na Operação Lava Jato, indeferiu todos os pedidos de visita ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), nesta segunda-feira (23). Com a decisão, a ex-presidente Dilma e a comissão de deputados que viria vistoriar a cela onde Lula está preso não estão autorizados a entrar na sede da Superintendência da Polícia Federal em Curitiba.

O pedido de visita foi formalizado no último sábado (21). O Ministerio Público Federal (MPF) se manifestou favorável à liberação da visita, por Dilma ser amiga de Lula, desde que obedeça as normas já fixadas: nas quintas-feiras, por ordem de chegada, obedecendo a prioridade de familiares mais.

De acordo com a nota divulgada pelo Partido dos Trabalhadores (PT), a constituição garante o direito de visita entre os ex-presidente da República. “O direito para tanto é claro e inconteste, está garantido por tratados internacionais de que o Brasil é signatário e também pela Lei de Execução Penal brasileira, em vigor desde 1984”, alerta.

Durante palestra em San Diego, na Califórnia, na semana passada, Dilma criticou as condições do petista na carceragem. “Colocaram o Lula numa solitária. Lula é um homem forte, mas ele está sendo submetido a condições desumanas de prisão. Eu tenho experiência de três anos de prisão durante a ditadura militar e posso dizer que, passada a fase de interrogatório, quando sofríamos torturas brutais, éramos levados para o presídio, e o máximo sofrimento a que nos submetiam era a solitária. É a pior punição, quando não há tortura física”, afirmou.

Lula foi condenado a 12 anos e mês de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro no processo referente ao Triplex do Guarujá, no âmbito da Operação Lava Jato. Ele está detido desde o último dia 7.