Dois foragidos de prisão no Paraguai são recapturados pela polícia

Folhapress

presos - PCC - Paraguai - Pedro Juan Caballero - Mato Grosso do Sul

Policiais de Mato Grosso do Sul e do Paraguai recapturaram nesta segunda-feira (20) 2 dos 75 presos, muitos deles integrantes do PCC (Primeiro Comando da Capital), que escaparam da penitenciária de Pedro Juan Caballero, na fronteira do Paraguai com o Brasil, na madrugada de domingo (19).

A Polícia Civil de Ponta Porã, cidade na divisa com Pedro Juan Caballero, investiga se o brasileiro capturado Eduardo Alves da Cunha, 30, portava documentos ilegais e foi condenado com nome falso no Paraguai.

Um dia depois do caso na fronteira com Mato Grosso do Sul, 26 presos fugiram de outra região de fronteira e rota para o tráfico de drogas. Eles quebraram a parede da cela e usaram lençóis amarrados para escalar o muro na penitenciária Francisco de Oliveira Conde, em Rio Branco, no Acre. Um preso foi recapturado na tarde desta segunda.

O secretário-adjunto de segurança pública do Acre, coronel PM Ricardo Brandão, disse não descartar ligação entre a fuga local e a ocorrida no Paraguai.

Sozinho e descalço, Cunha foi preso por policiais militares de Mato Grosso do Sul do DOF (Departamento de Operações de Fronteira), às margens de uma rodovia entre Ponta Porã e a cidade de Dourados, segundo informou o secretário de segurança pública, Antonio Carlos Videira.

O recapturado é de Imperatriz, no Maranhão. Segundo a PM, ele confessou ter fugido da penitenciária junto com os outros presos que estavam na ala do PCC. A Sejusp (Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Pública em Mato Grosso do Sul), porém, ainda mantém dúvidas sobre o real nome do foragido.

O nome de Eduardo Alves da Cunha consta na lista divulgada pela Polícia Nacional do Paraguai com os rostos dos 75 foragidos, mas o nome está destacado em vermelho depois que a polícia brasileira levantou suspeitas sobre a identidade.

O secretário de segurança do Mato Grosso do Sul declarou que, até agora, não foi possível encontrar dados sobre ele em nenhum estado brasileiro. Ele foi levado para a Delegacia de Polícia Civil de Ponta Porã, que investiga o caso.

“Até o momento nós não localizamos nenhum estado brasileiro com esses dados. Essa pessoa pode ter sido inclusive processada, condenada, com outro nome. Os comissários estão na delegacia em Ponta Porã, os peritos, os copistas, também, porque pode ser que essa pessoa caiu, foi preso, no Paraguai, com nome falso, então a importância de se averiguar se este nome é verdadeiro”, disse Videira.

O outro preso recapturado foi localizado no Paraguai, pela Polícia Nacional do país vizinho. Segundo nota oficial no site do governo, ele se chama Sabio Darío González Figueredo, tem nacionalidade paraguaia e foi flagrado quando tentava se esconder em uma casa na periferia de Pedro Juan Caballero, a apenas 200 m da penitenciária de onde escapou.

Conforme noticiou a imprensa do Paraguai, a fuga, na verdade, pode ser sido uma liberação. É o que declarou o ministro do interior no Paraguai, Euclides Acevedo. “Foi encontrado um túnel e acreditamos que esse túnel foi um recurso enganoso para legitimar ou maquiar a liberação dos presos. Há cumplicidade com as pessoas de dentro da prisão e esse é um fenômeno que acontece em todas as penitenciárias”, afirmou o ministro do Interior do país, Euclides Acevedo, em nota publicada em site do governo.

O secretário de Justiça de Mato Grosso do Sul declarou que não é possível confirmar o número total de foragidos.

“Hoje nós temos 75, eles estão fazendo uma busca e confirmando, então esse número pode ser aumentado e também diminuir porque algumas dessas pessoas podem ter fugido no decorrer da semana. Não necessariamente todos saíram por esse túnel.”

Previous ArticleNext Article