Dória elogia Richa, critica Aécio e pede novas eleições para a direção do PSDB

Fernando Garcel


Fernando Garcel, com Narley Resende e colaboração de Leonardo Bessa

O prefeito de São Paulo, João Dória (PSDB), esteve em Curitiba na manhã desta quinta-feira (3) para participar de uma palestra promovida por um grupo de entidades representativas do setor produtivo do Paraná, em parceria com a Universidade Positivo. Em coletiva de imprensa, Dória falou sobre o arquivamento da denúncia contra o presidente Michel Temer (PMDB), os ajustes fiscais do governador Beto Richa e sobre a polêmica envolvendo o ex-presidente do PSDB, Aécio Neves, com a JBS.

Sobre a rejeição da denúncia da Procuradoria Geral da República contra o presidente Michel Temer, por crime de corrupção passiva, o prefeito da capital paulista declarou que isso irá ajudar a tranquilizar a política nacional e ajudar no desenvolvimento econômico do país. “Eu não acompanhei isso tão de perto para me manifestar. Só acompanhei o resultado final da votação. A votação é soberana. O Congresso Nacional é soberano. Tomou uma decisão, que ao meu ver, neste momento, vai ajudar a serenar um pouco a política brasileira e ajuda a fazer foco na economia brasileira”, declarou o tucano. “O excesso de turbulência política não contribui para o Brasil”, finalizou.

Câmara rejeita denúncia contra Temer
Fachin decide futuro da denúncia contra Temer

Com relação a forma com que o partido votou na Câmara, o prefeito foi evasivo. Metade da bancada votou contrário ao arquivamento da investigação contra Temer. Sobre os boatos que envolvem um provável “racha” no PSDB, ele declarou que isso é comum nas decisões do partido. “O PSDB vai ficar como sempre ficou. O PSDB tem essa característica, um partido com boas cabeças e que ideias que nem sempre são iguais. Isso não fragiliza o PSDB e nem vai diminuir o PSDB”, declarou.

Governo do Paraná

O governador Beto Richa (PSDB) e a vice, Cida Borghetti (PP), estavam no evento que também atraiu outros políticos do Paraná. Dória elogiou o desenvolvimento econômico do Estado e os ajustes fiscais feitos pelo Executivo. “É muito duro você fazer ajuste fiscal, controle de despesas, dizer não e fechar a torneira. É duro e desgastante politicamente. Mas ao meu ver o Paraná fez o que tinha que fazer. O governador Beto Richa fez, durante quase dois anos, e teve que agir de maneira mais restrita, mas hoje o Paraná desfruta de uma posição boa e saudável do ponto de vista de caixa. Saudável, inclusive, ao apoio para municípios paranaenses”, declarou. “É um bom exemplo de que política fiscal deve ser feita com responsabilidade mesmo que isso gere desgaste”, disse.

Aécio Neves

Nesta quinta-feira, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) anunciou que vai permanecer licenciado do cargo de presidente nacional do partido e que o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), presidente interino, continua à frente do partido. Dória é contrário a permanência de Aécio na liderança do partido e entende que é hora de convocar uma eleição para eleger a nova executiva nacional do partido.

PSDB mantém Aécio afastado da presidência do partido

“Volto a reafirmar o meu respeito pelo senador Aécio Neves pela sua biografia e sua história e também sobre seu direito de defesa, que alias ele já está exercendo. Mas entendo que é hora de mudar a direção do PSDB. O PSDB, não apenas pelo fato do senador Aécio Neves estar sendo investigado e deve ter tempo dedicado para a plenitude da sua defesa e eu acredito na sua inocência, mas também porque a direção e também o própria executiva deve refletir forças que não estão ali reproduzidas”, disse o tucano.

“É hora de promover eleições. Eu defendo fortemente que ainda nesse mês de agosto, ou no mais tardar até o final de setembro, o PSDB democraticamente promova para a executiva nacional e que o senador Aécio Neves tenha grandeza de compreender que o seu período se encerra”, disse.

Previous ArticleNext Article