Economista de Bolsonaro diz que há dois pesos e medidas sobre apoio do centrão

Anna Virginia Balloussier - Folhapress e Talita Fernandes - Folhapress


Ítalo Nogueira

Economista de Jair Bolsonaro (PSL), Paulo Guedes criticou a reação da imprensa ao acordo entre o presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB) e partidos do centrão. Seriam dois pesos e duas medidas, pois Bolsonaro teria sido defenestrado por ter conversado com as mesmas legendas.

“A impressão que eu tenho é que havia muita crítica a ele por negociar com o centrão, e ele aparentemente não aceitou o toma lá, dá cá. Aí a mídia celebra agora a aliança do Geraldo Alckmin [PSDB] com o mesmo centrão, fala que ele vai ter sustentação parlamentar”, disse Guedes à reportagem na convenção partidária que consagrará a candidatura de Bolsonaro, neste domingo (22), no Rio.

“É a consagração da velha política. Poxa, é como se fosse o abraço dos afogados. A Lava Jato veio com a ideia de acabar com a velha política, não era isso?” Na véspera, o capitão reformado havia ironizado a aliança firmada por seu adversário tucano com os partidos do centrão – DEM, PP, SD e PR.

Bolsonaro conversou com o PR de Valdemar Costa Neto, mas os diálogos não prosperaram. “Eu quero cumprimentar o Alckmin. Ele juntou a alta nata de tudo que não presta no Brasil ao lado dele”, disse.

Cotada a vice de Bolsonaro, a advogada Janaina Paschoal afirmou que não será hoje que decidirá se aceita ou não o posto – já dispensado pelo senador e cantor gospel Magno Malta (PR) e pelo general reformado Augusto Heleno (PRP).

Coautora do pedido de impeachment da petista Dilma Rousseff e filiada ao PSL, Paschoal disse à reportagem que precisa “pensar bem antes de fechar uma parceria de quatro anos”.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="538330" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]