Lava Jato fecha acordo de R$ 400 milhões com Ecorodovias S.A.

Angelo Sfair

ecorodovias pedágio concessionária leniência R$ 400 milhões lava jato foto ecorodovias sa ecovia ecocataratas

A força-tarefa Lava Jato em Curitiba assinou nesta segunda-feira (12) um acordo de leniência com a empresa Ecorodovias S.A., controladora das concessionárias Ecovia e Ecocataratas, alvos da Operação Integração.

O grupo admitiu que pagava propinas desde o ano 2000 e se comprometeu a devolver R$ 400 milhões até 2021. O acordo ainda passará pelo crivo da 5.ª Câmara de Coordenação e Revisão do MPF (Ministério Público Federal) e da Justiça Federal de Curitiba, que será a responsável pela homologação.

O valor da multa foi estipulado em R$ 30 milhões. Os R$ 370 milhões restantes serão pagos a título de reparação pelos danos. Deste montante, R$ 220 milhões serão usados para reduzir em 30% a tarifa de todos os pedágios administrados pelas concessionárias do grupo.

O acordo de leniência são como as delações premiadas, mas para pessoas jurídicas. A Ecorodovias S.A. admitiu ao MPF o envolvimento em vários atos de corrupção e lavagem de dinheiro.

Os crimes foram cometidos em contratos com o Governo do Paraná, o DER-PR (Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná), o DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte) e o Ministério dos Transportes.

Leniência: propinas para garantir aditivos

Segundo o acordo de leniência assinado entre Ecorodovias S.A. e Lava Jato, a empresa disse que começou a pagar propinas há 19 anos com o objetivo de conseguir alterações nos contratos. As mudanças geravam benefícios às concessionárias.

O documento assinado com o MPF prevê que o pagamento dos R$ 400 milhões seja efetuado até 2021, data em que se encerram as concessões da Ecorodovias S.A. nas estradas do Paraná. Assim como outros acordos, essa admissão de culpa não impede o grupo de atuar em outros órgãos públicos.

“Só em 2019, a força-tarefa já fez acordos que envolvem a recuperação de aproximadamente R$ 2 bilhões”, destacou, em nota, o procurador-chefe da Lava Jato Deltan Dallagnol.

Previous ArticleNext Article