Após dois anos preso no Paraná, Eduardo Cunha é transferido para o RJ

Francielly Azevedo


O ex-presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha, deixou o Complexo Médico-Penal (CMP), em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC), por volta das 8h desta sexta-feira (31), escoltado por agentes da Polícia Federal até o aeroporto Afonso Pena, em São José dos Pinhais, também na RMC. O ex-deputado foi transferido para o Presídio Pedrolino Werling de Oliveira, conhecido como Bangu 8, no Rio de Janeiro, de acordo com o advogado do ex-parlamentar, Rafael Guedes de Castro.

Na última quarta-feira (29), o juiz Ronaldo Sansone Guerra, da 2ª Vara de Execuções Penais de Curitiba, autorizou a transferência de Cunha, para que ele possa cumprir o restante da pena de 14 anos e seis meses de prisão em um presídio no Rio de Janeiro. O ex-deputado estava preso no CMP desde outubro de 2016.

No início de abril, a juíza Luciani Maronezi, da 2ª Vara de Execuções Penais de Curitiba, pediu que as autoridades do Rio de Janeiro fossem consultadas para saber a viabilidade da transferência. No último dia 23, a Justiça do Rio de Janeiro aceitou o pedido da defesa.

CONDENAÇÕES

Em março de 2017, o então juiz federal Sérgio Moro condenou Cunha a 15 anos e quatro meses de prisão pelos crimes de corrupção, evasão de divisas e lavagem de dinheiro. O ex-deputado recorreu da sentença ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região. O TRF4, em novembro do ano passado, julgou a apelação criminal e manteve a condenação, apenas diminuindo a pena para 14 anos e seis meses.

A denúncia envolve um contrato em que a Petrobras comprou direitos de participação na exploração de um campo de petróleo na República do Benin, na África. Segundo os procuradores do Ministério Público Federal (MPF), foi pago cerca de U$ 1,5 milhão em propina.

Em junho de 2018, o juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara em Brasilia, condenou Eduardo Cunha a 24 anos e dez meses de prisão por crimes de corrupção ativa, lavagem de dinheiro e violação de sigilo funcional no esquema de corrupção envolvendo desvios na Caixa Econômica Federal. Neste caso, a sentença ainda não foi analisada em segunda instância.

Previous ArticleNext Article
Avatar
Jornalista, formada pela Universidade Tuiuti do Paraná. Tem passagens pela TV Educativa, TV Assembleia, TV Transamérica, CATVE, Rádio Iguassu e Folha de Londrina. Atualmente trabalha no Paraná Portal e na Rádio CBN.