Moro se recusa a comentar indiciamento de ministro do PSL e é aplaudido no PR

Lucas Gabriel Marins

sergio moro, ratinho junior, curitiba, paraná, coletiva, força nacional, são josé dos pinhais, segurança pública, ministro da justiça

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, se recusou nesta sexta-feira (4) a comentar o indiciamento do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio (PSL). Moro participou de coletiva de imprensa em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba (PR).

“Essa coletiva é limitada ao tema do encontro, que é o ‘Em Frente, Brasil’ (projeto-piloto de combate à criminalidade). Vou pedir desculpas, mas não vou sair desse contexto”, disse Moro, que em seguida foi aplaudido por autoridades do governo do Paraná por não ter respondido.

Marcelo Álvaro foi indiciado pela Polícia Federal na manhã desta sexta-feira (4) no inquérito que apura suposto desvio de recursos em candidaturas do PSL em 2018, em Minas Gerais. Na época, o ministro era presidente do partido de Jair Bolsonaro.

Moro não responde se município do Espírito Santo será retirado de projeto

Na coletiva, Moro fez uma breve apresentação dos resultados do projeto “Em Frente, Brasil”, implantado no dia 30 de agosto em São José dos Pinhais e em outros quatro municípios brasileiros – Ananindeua (PA), Cariacica (ES), Goiânia (GO) e Paulista (PR). Houve, segundo ele, uma redução de 53% no índice de homicídios nessas localidades.

O ministro foi questionado sobre uma live feita pelo presidente da República nesta quinta-feira (3). Nela, Bolsonaro disse que pediria a Moro para remover Cariacica do projeto-piloto porque o prefeito do município, Geraldo Luzia Júnior, criou uma linha de telefone para a população denunciar o abuso de autoridade das forças policias da Força Nacional de Segurança.

Moro disse que as falas do presidente retrataram apenas uma insatisfação pessoal com a atitude do prefeito, que ao criar um meio para denunciar policias passou a imagem de que esses profissionais são intrusos e incomodam. “Acho que foi indelicado da parte dele (prefeito)”.

Moro não respondeu, no entanto, se realmente tirará a cidade do projeto.

Ministro pediu ajuda na divulgação do pacote anticrime

Pela manhã, Moro participou da reunião do Conselho Nacional dos Secretários de Estado da Justiça, da Cidadania, Direitos Humanos e Administração Penitenciária (Consej), no Palácio Iguaçu, sede do governo do Paraná.

No encontro, ele pediu apoio do governador do estado, Carlos Massa Ratinho Junior, e de secretários de estado na divulgação do seu pacote anticrime, que está no Congresso.

“Gostaria de pedir apoio aos senhores e senhoras para o projeto. Certamente vocês conhecem parlamentares, que normalmente são mais sensíveis a esses contatos feitos por meio de representantes dos estados. É preciso demonstrar a necessidade (do projeto) ”, disse.

Desde que foi enviado ao Congresso, em fevereiro deste ano, o pacote do ministro foi desidratado pelo grupo de trabalho que analisa as medidas. Para defender o projeto, o governo federal lançou na quinta-feira (3) uma campanha publicitária com outdoors e vídeos em prol das medidas. As propagandas custaram R$ 10 milhões aos cofres públicos.

Previous ArticleNext Article