Ex-deputado Cândido Vaccarezza indica Lula e Dilma como testemunhas de defesa em processo da Lava Jato

BandNews FM Curitiba

Os ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff foram indicados como testemunhas de defesa do ex-deputado federal Cândido Vaccarezza, que é réu em ação penal decorrente da 44ª fase da operação Lava Jato. Ao todo, oito pessoas foram convocadas a depor em favor do ex-parlamentar. O rol de testemunhas foi apresentado pelos advogados de Vaccareza em defesa prévia nesta terça-feira.

No documento, os defensores afirmam que o Ministério Público Federal se excedeu ao denunciar o ex-parlamentar pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Além disso, os advogados questionam um depoimento dado pelo delator Jorge Luz em 2017, no qual ele afirmou ter participado de uma reunião na sede da Petrobras com Cândido Vaccarezza no dia 19 de abril de 2010 para tratar do esquema de pagamento de propinas. No entanto, a defesa alega que, neste dia, Vaccarezza estava na Câmara dos Deputados e mostra registro da presença do então deputado em sessão na Casa.

Vaccarezza foi preso em 2017 durante a 44ª fase da operação Lava Jato, mas foi solto dias depois para fazer um tratamento de saúde. À época, a Justiça Federal impôs a ele o pagamento de fiança, no entanto, até hoje o valor não foi depositado. Desde o início de agosto deste ano, o juiz Sérgio Moro cobra o pagamento do valor de Vaccarezza. O ex-deputado é acusado de envolvimento em fraude para aquisição de asfalto pela Petrobras enquanto era líder do Partido dos Trabalhadores na Câmara.

Entre 2010 e 2013, foram cinco contratos, estimados em cerca de 74 milhões de dólares. Segundo a denúncia, o esquema proporcionou valores de US$ 2 milhões de dólares em propinas. Teriam sido beneficiados, além do ex-deputado do PT, o então diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, dois gerentes da estatal, operadores financeiros e lobistas.


Cândido Vaccarezza participou das eleições deste ano mas não conseguiu se eleger como Deputado Federal pelo partido Avante, em São Paulo.

Post anteriorPróximo post
Comentários de Facebook