Ex-secretário de Richa e empresário réus na Quadro Negro são soltos após decisão do TJPR

Fernando Garcel e William Bittar - CBN Curitiba

Lava Jato - Operação Piloto - Beto Richa - Jorge Atherino

A 2ª Câmara Criminal do Tribunal do Justiça do Paraná (TJ-PR) determinou que o empresário Jorge Atherino e o ex-secretário de Cerimonial do governo de Beto Richa (PSDB), Ezequias Moreira, sejam soltos. Ambos foram presos juntos com Richa, no dia 19 de março, no âmbito da Operação Quadro Negro. A investigação apura a responsabilidade da suposta organização criminosa no desvio de R$ 21 milhões que seriam aplicados na construção e reforma de escolas no Paraná.

> Gaeco quer leiloar relógios e acessórios de luxo apreendidos de Richa
> Preso na Quadro Negro: Richa, esposa e mais cinco viram réus por obstrução de investigação

Na decisão, os desembargadores apontam que os fatos que levaram os dois à prisão preventiva por obstrução de justiça são antigos, portanto, não justificam a manutenção deles na prisão. A decisão foi unânime. Beto Richa foi solto após 17 dias de prisão pelo mesmo entendimento.

> Defesa de Richa fala em perseguição e vai tentar anular leilão de bens do ex-governador

Segundo o Ministério Público do Paraná (MPPR), Atherino atuou como operador financeiro de Richa. Já Ezequias Moreira é réu por corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

O relator da Quadro Negro no TJPR, desembargador Francisco Pinto Rabello, justificou que a liberdade dos réus da operação se deve “a contemporaneidade entre os fatos delitivos e o momento da decretação da prisão”, ou seja, que somente poderia acontecer na época em que os fatos supostamente aconteceram.

O voto dele foi acompanhado pelos desembargadores José Carlos Dalacqua, presidente do órgão julgador, e pelo desembargador Laertes Ferreira Gomes.

De acordo com a denúncia do Ministério Público do Paraná (MP-PR), Beto Richa era o “chefe da organização criminosa e principal beneficiado com o esquema de recebimento de propinas” pagas pelas empresas que seriam responsáveis pelas obras nas escolas.

Ainda segundo o MP-PR, as fraudes foram cometidas em aditivos de obras fechados com a Construtora Valor, autorizados pelo governo estadual.

Procurados, os advogados de Jorge Atherino e Ezequias Moreira não quiseram se manifestar sobre a decisão desta quinta-feira.

Previous ArticleNext Article