EXCLUSIVO: Lava Jato avançará sobre novos nichos de corrupção em 2019, adianta procurador

Roger Pereira


Ao fazer um balanço do ano de 2018 da Operação Lava Jato, o procuradora de Justiça Roberson Pozzobon, integrante da força-tarefa da operação no Ministério Público Federal do Paraná anunciou que o próximo ano reserva novas fases da Lava Jato, com investigações sobre núcleos de corrupção e agentes políticos e empresariais ainda não atingidos. A perda do foro privilegiado de alguns políticos citados que não se reelegeram e as revelações de que a prática de irregularidades descoberta na Petrobras atingiram outras estatais e outras esferas da administração pública são a razão para que a Lava Jato vá muito além das 57 fases já deflagradas nestes quatro anos de atuação.

Em entrevista ao Paraná Portal, Pozzobon disse que 2018 foi o ano em que a Lava Jato mostrou que ainda há muito ainda a ser investigado, que há uma série de fatos ainda a serem investigadas e que a operação ainda caminha a pleno vapor, deixando claro que a Lava Jato está muito além da Petrobras. “A operação tem diversas investigações em curso amadurecidas, então a população pode esperar sim novas fases da operação, fases importantes sobre nichos ainda não navegados. Infelizmente, nichos corruptos do nosso Brasil”.

O procurador reconheceu que a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em abril, foi o fato mais emblemático da Operação. “É muito representativo o fato de que a Justiça brasileira processou e condenou um ex-presidente da república. Não temos nenhum regozijo em dizer que um ex-presidente da república foi punido, pois o cenário ideal era que nenhum governante, muito mesmo presidente, se envolvesse em delitos desse tipo, mas, na medida em que se envolveram, é nossa obrigação responsabilizar essas pessoas, seja quem for”.

Ele admitiu, no entanto, que Lula não é o único grande chefe do esquema criminoso investigado pela força-tarefa, como já havia sido afirmado pelo próprio MPF, em 2015, na ocasião da denúncia contra o ex-presidente. Ele disse que os desdobramentos das investigações revelaram que as práticas criminosas apuradas no governo federal durante os anos de administração petistas se repetiram em várias outras unidades da Federação e não deixaram de serem praticadas após a saída do PT do poder. “Há múltiplos líderes e, infelizmente, eles transitam, passam o bastão, em um sistema de corrupção alastrado e endêmico”.

Assim, afirma, ao avançar sobre a teia de corrupção que está sendo revelada por cada investigação e cada delação ocorrida, a Operação chega a novos nichos de corrupção e novas fases são deflagradas. “O cenário de grande corrupção do brasileira é uma grande teia com uma série de lastros e ligações. Investigando a Petrobras, descobriu-se que o Sergio Cabral estava envolvido no esquema e, na sequência, descobriu-se todos os outros esquemas em que ele se envolveu. O mesmo aconteceu com a questão do pedágio, quando a Odebrecht afirmou que pagou propina a agentes do governo Richa”.

Citando as investigações relativas ao governo Richa (PSDB) o procurador reforçou que a força-tarefa não tem qualquer preferência política, mas tem limitação de atribuição. “Não podemos investigar tudo de errado que acontece no Brasil”.

Na entrevista, ele defendeu os acordos de delação premiada e diz que troca a desconfiança da população com o fato de algumas peças chaves do esquema criminoso já estarem em liberdade pelas centenas de fatos que eles revelaram. “Não fossem esses acordos, não teríamos avançados 1% do que avançamos”.

Ele ainda descartou qualquer influência política na atuação de Sergio Moro e afirmou ser muito importante a pauta de combate à corrupção chegar ao Executivo Federal.

Confira a íntegra da entrevista:

Previous ArticleNext Article
Roger Pereira
Repórter do Paraná Portal