Extrema direita e esquerda vão em busca do centro para vencer no Chile

Redação

Chile segundo turno busca centro

Com todos os votos apurados no Chile, o candidato da extrema direita José Antonio Kast (27,9%) e o esquerdista Gabriel Boric (25,8%), que se enfrentam de novo em 19 de dezembro, já saíram em busca do os votos do centro. A alta abstenção de chilenos nas eleições presidenciais de domingo torna a disputa indefinida para o La Moneda. As informações são da Agência de Notícias Télam, da Argentina.

A taxa de participação de 47,3% confirmou a tendência de queda registrada no país. Desde 2009 (com 59,6%) não houve eleição presidencial com mais de 50% de votantes. O recorde ocorreu no plebiscito de 1989 (92,4%), que deu início ao período pós-ditadura.

Em uma eleição cheia de surpresas, uma das notas que se destacaram foi o resultado do candidato Franco Parisi (12,8%), do Partido do Povo (PDG), que igualou o governante Sebastián Sichel, do Pacto Chile Más Podemos. Ele chegou a derrotar blocos partidários históricos sem pisar no Chile e sem participar dos debates.

O primeiro candidato a admitir a derrota foi Sichel, um ex-crítico de Kast que agora se abre para aproximar posições com a extrema direita.

“É claro que para a candidatura de esquerda não vou votar”, disse. Mas citou “diferenças programáticas com José Antonio Kast”, antes de se mostrar “disposto a falar para a frente”.

Yasna Provoste, do Novo Pacto Social, que reunia democratas-cristãos, socialistas e outros grupos da Ex-Concertação, apelou a “não permitir o avanço do fascismo que Kast representa”.  Mas já anunciou que será oposição no próximo governo e não foi explícito em um eventual apoio a Boric.

O candidato Marco Enríquez-Ominami, que ficou em sexto lugar com 7,6% dos votos, foi quem mais claramente se manifestou a favor de Boric. Mas fez um alerta: “Se você continuar intransigente, perderemos. ”

O candidato da União Patriótica, Eduardo Artés, que terminou em sétimo lugar na corrida com 1,5% das preferências, garantiu que lutará contra o “fascismo Kast”, mas não quis apoiar Boric.

Admirador confesso de Pinochet

O vencedor deste domingo, o confesso Pinochetista Kast, fez um gesto aos adeptos de Provoste e Parisi (quinto e terceiro colocados, respectivamente) e garantiu que quer “cobrar todos os aspectos positivos desses projetos.”

Enquanto isso, tentando esconder o impacto do resultado inesperado, Boric fez um discurso fundamentalmente voltado para suas bases e declarou: “Não será a primeira vez que partimos de trás. Fizemos quando lutamos pela educação , fizemos quando quebramos o sistema binomial, fizemos quando juntamos as assinaturas e quando íamos para o ensino fundamental. ”

“O segundo turno vai ser apertado, mas tenho certeza que vamos ganhar nesse segundo turno. (…) … Não estou aqui para falar contra o outro candidato, estamos aqui para ser os porta-vozes pela esperança e pelo diálogo. A cruzada é que a esperança vence o medo “, disse o deputado da Convergência Social.

 

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="805146" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]