Vereadora Fabiane Rosa é expulsa do PSD após acusação de rachadinha

Redação


A vereadora Fabiane Rosa, acusada de participar de um esquema de ‘rachadinha’, foi expulsa do PSD (Partido Social Democrático). Com a decisão, tomada nesta quinta-feira (10), de forma unânime, a vereadora pode ficar de fora das eleições 2020.

Mesmo expulsa do partido, Fabiane pode registrar candidatura, porém, cabe ao juiz eleitoral analisar se ela preenche os requisitos para participar do pleito. A defesa da parlamentar afirmou que não foi intimada da decisão. “Vamos recorrer sim. Não tivemos possibilidade de realizar a defesa dela, não foi possível apresentar os argumentos e provas defensivas.”

VEREADORA É SUSPEITA DE ‘RACHADINHA’ NA CÂMARA MUNICIPAL DE CURITIBA

Fabiane Rosa foi presa preventivamente pelo Gaeco no dia 27 de julho. No mesmo dia ela foi levada para depor e, posteriormente, foi transferida para a Penitenciária Feminina de Piraquara, na região metropolitana de Curitiba.

De acordo com o Ministério Público, a vereadora promovia um esquema de “rachadinha” no gabinete dela. Ou seja, conforme as investigações, funcionários eram obrigados a devolver parte dos próprios salários em benefício da parlamentar.

Segundo a denúncia, o esquema de ‘rachadinha’ teria acontecido entre 2016 e 2018. Veja quem são os outros denunciados e os seus crimes:

  • Jonatas Joaquim da Silva, marido da vereadora: concussão e peculato;
  • Maria Carolina Brassanini Centa Bremer, ex-chefe de gabinete: concussão;
  • Anabela Marisa de Sousa Monteiro, empregada da parlamentar: peculato;

No dia 3 de setembro, a vereadora Fabiane Rosa foi afastada das funções públicas após o descumprimento das condições impostas para a prisão domiciliar. Isso aconteceu porque uma das condições para a conversão da prisão estava a proibição de manter contato com testemunhas do processo em que é investigada.

Porém, segundo Laertes Ferreira Gomes, desembargador da 2ª Câmara Criminal do TJPR, Fabiane Rosa enviou uma mensagem por uma aplicativo de mensagem para uma das testemunhas.

Por causa do descumprimento, Gomes pediu uma audiência para que a vereadora explique a motivação que a fez encaminhar uma mensagem e descumprir as condições do benefício da prisão domiciliar.

Previous ArticleNext Article