Fabiane Rosa, suspeita de rachadinha, será investigada pela Câmara Municipal

Redação

fabiane rosa, rachadinha, cmc, câmara municipal de curitiba, política, gaeco, ministério público

A vereadora Fabiane Rosa (PSD), presa pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) suspeita de promover um esquema de “rachadinha”, será alvo de uma investigação interna promovida pela Câmara Municipal de Curitiba.

Uma sindicância será aberta a pedido da presidência da Casa. O Poder Legislativo ressalta que não recebeu nenhuma denúncia referente à parlamentar. Conforme o documento, os fatos a serem apurados foram repercutidos pela imprensa.

A Câmara Municipal de Curitiba também informou que já forneceu ao MP-PR (Ministério Público do Paraná) todas as informações solicitadas, e que continua a colaborar com as investigações. De acordo com a CMC, os vereadores são responsáveis pelos próprios atos.

Fabiane Rosa foi presa preventivamente pelo Gaeco nesta segunda-feira (27). No mesmo dia ela foi levada a depor, e posteriormente foi transferida para a Penitenciária Feminina de Piraquara, na região metropolitana de Curitiba.

De acordo com o Ministério Público, a vereadora promovia um esquema de “rachadinha” no gabinete dela. Ou seja, conforme as investigações, funcionários eram obrigados a devolver parte dos próprios salários em benefício da parlamentar.

A defesa de Fabiane Rosa nega as irregularidades investigadas. “A denúncia em questão foi feita por ex-funcionários afastados de suas funções por uma decisão unilateral da vereadora”, afirmou o advogado Jeffrey Chiquini.

Previous ArticleNext Article