Felipe Santa Cruz ataca advogados que defendem volta do regime militar

Jorge de Sousa

felipe santa cruz, oab, apreensão, augusto heleno, celular, gabinete de segurança institucional, gsi, inquérito, interferência, jair bolsonaro, pf, pgr

As recentes manifestações em todo Brasil em prol do retorno do regime militar foram atacadas pelo presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Felipe Santa Cruz.

Nesta segunda-feira (20), Santa Cruz participou de uma live no Instagram da ABRACRIM Nacional (Associação Brasileira dos Advogados Criminalistas), presidida pelo presidente da entidade, Elias Mattar Assad.

“Advogado que defende ditadura não deveria ser advogado. Ele não comunga no pensamento da advocacia, mesmo sendo de esquerda, direita ou centro”, explicou Santa Cruz.

Neste último domingo (19), o presidente da República, Jair Bolsonaro, chegou a endossar os protestos a favor do regime militar em Brasília. Bolsonaro mostrou novo posicionamento nesta segunda-feira, quando reforçou a importância do regime democrático.

Santa Cruz não citou especificamente Bolsonaro, mas reforçou que é papel de toda sociedade zelar pela democracia. “Constituição de 1988 é o passo das liberdades. A nossa missão é defender nossa população, que precisa mais do que nunca do nosso trabalho”, pontuou o presidente da OAB.

FELIPE SANTA CRUZ TAMBÉM ATACOU CULTURA PUNITIVISTA

Em uma alusão ao modus operandi da Operação Lava-Jato, Santa Cruz também defendeu que os advogados lutem por uma cultura menos “punitivista” do sistema judiciários no Brasil.

“O mundo está em um divisor de águas, em uma visão punitivista. O advogado não pode apoiar um processo em que o culpado não tenha o direito de defesa. Não pode ter advogado contra os direitos sociais e processos sumários contra tudo e contra todos”, colocou Santa Cruz.

Vale registrar que no final de 2019, a Lava-Jato sofreu uma derrota no STF (Supremo Tribunal Federal), quando o colegiado decidiu pelo fim da prisão em segunda instância, ou seja, antes de todos os recursos pelos réus terem sido julgados.

Previous ArticleNext Article