Gilmar Mendes acata pedido de Richa e suspende audiências da Rádio Patrulha

Francielly Azevedo

Beto Richa - Alep - deputados - previdência

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), acatou um pedido da defesa do ex-governador do Paraná, Beto Richa, e suspendeu as audiências da Operação Rádio Patrulha. As oitivas estavam marcadas para começar nesta segunda-feira (5) e seguir até a próxima quinta-feira (8). A decisão é da última sexta-feira (2).

A Operação Rádio Patrulha investiga pagamentos de propina no programa “Patrulha do Campo”, responsável por obras em estradas rurais do estado. Richa é investigado pelos crimes de corrupção passiva e fraude à licitação, que teriam sido praticados entre 2011 e 2018. Ele nega qualquer envolvimento no caso.

Apenas os delatores do caso seriam ouvidos a partir desta segunda-feira. A defesa de Richa afirma que ação deve ser julgada na Justiça Eleitoral. Atualmente, o processo tramita na 13ª Vara Criminal de Curitiba.

Nesta etapa, apenas os delatores do caso seriam ouvidos em audiências que seriam realizadas a partir de segunda-feira, em Curitiba.

Rádio Patrulha

Em 11 de setembro, a política paranaense foi surpreendida com a Operação Rádio Patrulha, deflagrada pelo Gaeco. Beto Richa, sua esposa, Fernanda, e seu irmão, José Richa Filho, além de vários empresários, foram presos. Segundo a investigação o ex-governador era acusado de ser o principal beneficiado de um esquema de fraude em licitações com cobrança de propina das empresas contratadas pela operar as patrulhas rurais no governo tucano.

Três dias depois, o ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, suspendeu as prisões, concedendo habeas corpus a Richa, extensivo a todos os outros acusados, acatando o argumento da defesa, de que as prisões eram intempestivas, uma vez que tratavam-se de um caso ocorrido em 2014, cujas investigações já duravam vários meses, não havendo requisitos para a prisão preventiva como a urgência, ou o risco de continuidade da prática criminosa, já que Richa não estava mais no poder. Ao despachar, Mendes ainda fez severas críticas a  prisões e operações contra políticos durante o período eleitoral.

Em liberdade, Beto Richa virou réu em 30 de outubro, quando a Justiça do Paraná aceitou denúncia do Ministério Público do Estado.

 

Previous ArticleNext Article
Avatar
Jornalista, formada pela Universidade Tuiuti do Paraná. Tem passagens pela TV Educativa, TV Assembleia, TV Transamérica, CATVE, Rádio Iguassu e Folha de Londrina. Atualmente trabalha no Paraná Portal e na Rádio CBN.