Glenn ataca procurador e diz que denúncia é “retaliação do governo Bolsonaro”; veja o vídeo

Vinicius Cordeiro

glenn bolsonaro denúncia mpf

Glenn Greenwald, fundador do Intercept, respondeu à denúncia feita hoje (21) pelo MPF (Ministério Público Federal) que o aponta como envolvido nos ataques aos celulares de autoridades ligadas à Operação Lava Jato. Segundo o texto assinado pelo procurador Wellington Divino de Oliveira, Glenn “auxiliou, incentivou e orientou o grupo [de hackers] durante o período das invasões”.

“É uma retaliação pelo governo Bolsonaro. Eu não cometi nenhum crime, sempre fiz meu trabalho como jornalista com cautela e responsabilidade. O Supremo, que disse que eu não posso ser investigado, muito menos denunciado, pela minha reportagem porque é uma violação do direito constitucional de uma imprensa livre. Nós nunca vamos ser intimidados para ninguém que está abusando do aparato do Estado”, ressaltou Glenn no vídeo publicado em suas redes sociais.

Além disso, Glenn também criticou o procurador da República, lembrando que foi o mesmo autor da denúncia feita contra Felipe Santa Cruz, presidente do Conselho Federal da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), que foi acusado acusado por calúnia por chamar o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, de “chefe de quadrilha”.

“Claramente ele está abusando do seu cargo para atacar seus inimigos políticos”, completou.

Depois do vídeo, Glenn ainda soltou uma nota que reforça ataques do presidente Jair Bolsonaro à imprensa. Por fim, o jornalista ressaltou que a denúncia também é um ataque ao STF (Supremo Tribunal Federal), já que o ministro Gilmar Mendes proibiu investigações sobre Glenn no ano passado. Por causa disso, a Operação Spoofing pediu a condenação de todos os denunciados, com exceção de Glenn, por lavagem de dinheiro.

“Não seremos intimidados por essas tentativas tirânicas de silenciar jornalistas. Estou trabalhando agora com novos relatórios e continuarei a fazer meu trabalho jornalística (sic)”, concluiu.

NOTA PUBLICADA POR GLENN

Confira o texto publicado pelo fundador do Intercept:

Previous ArticleNext Article