Governo Temer completa dois anos como o mais impopular e sem cumprir promessas

Folhapress

RANIER BRAGON, JULIO WIZIACK E MARIANA CARNEIRO

A maior parte das promessas feitas por Michel Temer em seu primeiro discurso como presidente da República, em maio de 2016, ou não foi cumprida ou teve realização parcial após dois anos de gestão, que se completam neste sábado (12).

Nos 28 minutos de sua fala ao dar posse aos seus ministros, o emedebista listou 19 propostas.  Desse total, pode-se dizer que cumpriu integralmente até agora 2, não cumpriu 7 e nos outros 10 a execução foi parcial, em maior ou menor grau. Para honrar integralmente uma das promessas, a redução da inflação, teve o auxílio do ritmo lento da economia no período.

Entre as que não conseguiu tirar do campo das intenções estão a redução do desemprego, o incremento da agricultura familiar, a aprovação da reforma da Previdência e a unificação e pacificação do país. “É urgente pacificar a Nação e unificar o Brasil. É urgente fazermos um governo de salvação nacional.”


Dois anos depois, Temer hoje tem reprovação popular recorde, perdeu o apoio oficial do principal aliado, o PSDB, e seu campo de apoio está fragmentado, tendo pelo menos seis pré-candidatos à sua sucessão. Outras promessas que ficaram no discurso foram a “busca permanente de controle e apuração de desvios” e a “blindagem da Lava Jato contra tentativas de enfraquecê-la.”

Foto: Agência Brasil

Nos seus dois anos de gestão, o emedebista viu recrudescerem contra ele e ministros de seu governo suspeitas de corrupção. Temer foi alvo de duas denúncias feitas pela Procuradoria-Geral da República e dois inquéritos no Supremo Tribunal Federal, investigações que lhe minaram o capital político e tiraram as chances de aprovação da reforma da Previdência.

O presidente não adotou medida relevante de combate à corrupção e rompeu a tradição de escolha do mais votado pela categoria para a chefia do Ministério Público. Responsável pelas denúncias contra Temer e pela condução da Lava Jato na Procuradoria-Geral da República, Rodrigo Janot deu lugar a Raquel Dodge, a segunda mais votada e integrante de corrente interna adversária.

Na relação com o Congresso, o emedebista começou sua gestão com uma base de apoio de mais de 300 deputados, o que lhe permitiu aprovar em 2016 a mudança na Constituição que estabeleceu o congelamento dos gastos federais. Com a eclosão do escândalo da JBS no ano seguinte, porém, sua base passou por encolhimento gradual.

O balanço legislativo de sua gestão mostra o atendimento de demandas históricas do mundo empresarial e da bancada ruralista, com destaque para a reforma trabalhista, a mudança do modelo de exploração do petróleo e refinanciamento de dívidas de produtores.

Na parte econômica, prometeu em 2016 resgatar a credibilidade do país, ampliar as privatizações, reduzir o desemprego, entre outras medidas. “Nosso maior desafio é estancar o processo de queda livre na atividade econômica.”

A economia saiu da recessão em 2017. A inflação foi reduzida à baixa recorde de 2,95%. Mas Temer não conseguiu diminuir o desemprego. E o déficit nas contas segue elevado (R$ 106 bilhões em fevereiro).

Ainda em sua fala inaugural, Temer prometeu sempre se pautar pelo “livrinho”, a Constituição Federal. Mas sua reforma trabalhista tem pontos inconstitucionais, segundo a PGR. Em outros episódios, medidas foram derrubadas pelo Supremo, como trechos de sua proposta de indulto de Natal de 2017.

Outro lado

A Secretaria de Comunicação Social da Presidência afirmou ter havido avanços em todas as áreas.

“O presidente Temer tomou medidas que há muito tempo o país pedia e que outros governos não ousaram por serem medidas duras, consideradas impopulares. (…) Estamos recuperando um passivo de mais de dez anos de uma política econômica equivocada e que levou o país à sua maior recessão da história.”
A Secom diz que a credibilidade do Brasil no exterior só cresce e, sobre o desemprego, lista saldo positivo em 2018 de 204.064 carteiras assinadas.
A Secom também defendeu a política em relação aos programas sociais afirmando que a agricultura familiar nunca foi tão valorizada -“o governo federal ampliou este ano o valor do benefício do Bolsa Família em 5,7%”- e negou retirada de direitos. “Houve ampliação de direitos com a reforma trabalhista. Categorias que não possuíam direitos passaram a ter.”
Segundo a Secom, a reforma da Previdência só foi para a gaveta devido à intervenção federal na segurança do Rio, o que impede a votação de emendas no Congresso.
Sobre o combate à corrupção, afirmou que o governo moralizou a gestão das estatais e que os órgãos de controle têm firme atuação, “gerado economia significativa para os cofres da União”.

Mais impopular desde Collor

“O povo precisa colaborar e aplaudir as medidas que venhamos a tomar.” Do discurso de 12 de maio de 2016 à realidade, Michel Temer completa neste sábado (12) dois anos de uma gestão que, na média, é a mais impopular desde pelo menos o fim da ditadura militar.

Foto: Alan Santos / PR

Compilação das mais de 200 pesquisas de avaliação de governo feitas pelo Datafolha nas últimas três décadas mostra que a média do atual presidente da República nesses 24 meses é pior até mesmo do que a dos antecessores que sofreram impeachment, Dilma Rousseff e Fernando Collor.

No índice usado pelo instituto para calcular o desempenho popular das gestões, que vai de 0 a 200, Temer marca apenas 25 até agora.

No discurso inaugural, em que deu posse a seus ministros, o tom era de otimismo. “Minha primeira palavra ao povo brasileiro é a palavra ‘confiança’.Nos meses seguintes, Temer conseguiu aprovar no Congresso Nacional medidas como o congelamento dos gastos federais, a reformulação do modelo de exploração do petróleo e uma reforma trabalhista que atendeu a demandas históricas do setor empresarial.

O empresariado e bancadas que defendem posições conservadoras, como a ruralista, a da “bala” e a religiosa, ou tiveram avanços significativos ou conseguiram congelar bandeiras de grupos antagônicos.

O mês de maio de 2017 foi capital para Temer após a revelação dos diálogos que travou com o empresário Joesley Batista no Palácio do Jaburu. Na ocasião, chegou a avaliar a renúncia ao cargo.
As oito pesquisas nacionais de avaliação do governo feitas pelo Datafolha mostram um crescimento contínuo de sua impopularidade desde o início da gestão.

Largou com 31% de rejeição e chegou a 61% com um ano de governo. Após o escândalo da JBS, o contingente de pessoas que consideram seu governo “ruim ou péssimo” superou os 70%, marca que permanece até hoje.

Nesse período, o governo federal lançou mão de medidas que, na análise de palacianos, seriam capazes de alterar esse quadro -como a liberação do saque de contas inativas do FGTS e a intervenção na segurança pública do Rio de Janeiro-, mas nenhuma deu certo até agora.

“Mais do que fatos de grande repercussão, como os desdobramentos da Lava Jato e a gravação da conversa com Joesley Batista, a impopularidade recorde de Temer é explicada pela soma de temores que sua gestão despertou nos brasileiros”, diz o diretor de Pesquisas do Datafolha, Alessandro Janoni.

“Não só o medo da violência urbana, que se tornou ainda mais explícita com a intervenção no Rio de Janeiro, mas principalmente pela percepção da população de que perderia direitos com as reformas trabalhista e previdenciária. A derrocada de Dilma junto à opinião pública começou com a necessidade de ajustes que lançavam dúvidas sobre a continuidade do processo de inclusão do lulismo. Com Temer e a comunicação de suas reformas, essa sensação de incerteza só se intensificou”, afirma Janoni.

Na última pesquisa do instituto, de 11 a 13 de abril, os eleitores apontaram cinco pontos como principal problema do país: corrupção (21%), saúde (19%), desemprego (13%), violência (13%) educação (10%). No início da atual gestão, só três desses temas atingiam mais de 10% das menções -corrupção, saúde e desemprego.

Um dos principais aliados de Temer no Congresso, o deputado Beto Mansur (MDB-SP) afirma ter havido problema na comunicação. “Muitas vezes você acaba fazendo muita coisa e comunica mal. Estou na vida pública há 30 anos e o Michel conseguiu aprovar no Congresso muita coisa que seus antecessores não conseguiram em um tempo muito maior”, diz.

O aliado afirma ter aconselhado o presidente a sair do gabinete para tentar diminuir sua rejeição. “Insisto muito com ele. Falei: ‘Tu tem que pegar a quinta, sexta e sábado e sair pelo Brasil’.”
O índice de avaliação usado pelo Datafolha representa uma nota média das pesquisas do mandato, que passam pelo seguinte cálculo: subtrai-se as menções negativas da taxa de menções positivas e somam-se 100 para evitar números negativos. Dos resultados de 0 a 200, aqueles acima de 100 são considerados positivos e os abaixo, negativos.

Dilma teve 136 no 1º mandato e 33 no segundo. Luiz Inácio Lula da Silva atingiu os melhores resultados em suas duas gestões: 139 na primeira e 183 na segunda. Fernando Henrique Cardoso teve avaliação média positiva no seu primeiro mandato (134) e negativa no segundo (81). Itamar Franco obteve 105 e Collor, 78.

Em relação à gestão do também emedebista José Sarney (1985-1990), não é possível fazer uma comparação exata porque o Datafolha realizou as pesquisas só em São Paulo (85 e 86) ou em apenas 10 capitais (de 87 a 90).

Mas muito provavelmente a popularidade média de Sarney também foi maior. Isso porque o índice de avaliação de 87 a 90 é 23, mas tem como base pesquisas circunscritas às dez principais capitais, que tendem a apresentar reprovação mais alta aos governantes. Além disso, a nota não engloba o período em que Sarney gozou de grande popularidade, 1986, ano do Plano Cruzado.

Post anteriorPróximo post
Comentários de Facebook