Gustavo Bebianno, ex-ministro de Bolsonaro, morre aos 56 anos

Cátia Seabra - Folhapress

gustavo bebbiano, ex-ministro, morreu, infarto

O ex-ministro Gustavo Bebianno, 56, morreu na madrugada deste sábado (14). Segundo amigos da família, ele sofreu um infarto por volta das 4h em seu sítio, em Teresópolis, região serrana do Rio de Janeiro.

Amigo de Bebianno, o empresário Paulo Marinho disse que o corpo será velado em uma capela vizinha ao sítio do ex-ministro do presidente Jair Bolsonaro. Bebianno era pré-candidato à Prefeitura do Rio, pelo PSDB. Ele deixa a mulher e dois filhos.

“A cidade do Rio perdeu um candidato que iria enriquecer o debate eleitoral, e eu perdi um irmão. O Gustavo morreu de tristeza por tudo que ele passou. Agora é hora de confortar a esposa, os filhos e os amigos”, disse Marinho.

Em 2014, Bebianno ofereceu ao então deputado federal Bolsonaro seus serviços como advogado, função que assumiria em 2017, quando o atual presidente já manifestava a intenção de concorrer ao Planalto.

A pedido de Bolsonaro, Bebianno assumiu, em 2018, a presidência do PSL e a coordenação da campanha nacional à Presidência. Após a vitória nas urnas, ele foi anunciado como secretário-geral da Presidência.

Bebianno acabou demitido no dia 18 de fevereiro de 2019, após o jornal Folha de S.Paulo trazer à tona o escândalo das candidaturas laranjas lançadas pelo partido que presidia durante.

Sua exoneração foi antecedida por uma troca de farpas com o vereador Carlos Bolsonaro, filho do presidente.

Após a explosão do caso, conhecido como o laranjal do PSL, Bebianno disse ter conversado com Bolsonaro sobre o assunto. Carlos foi às redes sociais negar que a conversa tinha existido. Em resposta, Bebianno revelou o teor de mensagens trocadas com o presidente. Sua demissão foi anunciada cinco dias depois da revelação do caso.

Previous ArticleNext Article