Política
Compartilhar

José Dirceu se entrega à Polícia Federal para cumprir pena de 30 anos

O ex-ministro José Dirceu se entregou à Justiça, no início da tarde desta sexta-feira (18) e passou pelo IML (Instituto ..

Jordana Martinez - 18 de maio de 2018, 14:33

Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom / Agencia Brasil
Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom / Agencia Brasil

O ex-ministro José Dirceu se entregou à Justiça, no início da tarde desta sexta-feira (18) e passou pelo IML (Instituto Médico Legal) de Brasília.

Segundo o Sistema Penitenciário do Distrito Federal, Dirceu foi levado para o Complexo Penitenciário da Papuda e permanece em um dos blocos do Centro de Detenção Provisória. A ala comporta internos como políticos e ex-policiais.

A cela onde José Dirceu permanece, por enquanto, é coletiva, com tamanho aproximado de 30 metros quadrados. O local conta com camas do tipo beliche, chuveiro e vaso sanitário.

Assim como todos os outros detentos do sistema prisional, Jose Dirceu terá direito a quatro refeições diárias – café da manhã, almoço, janta e lanche noturno – e duas horas de banho de sol.

Ainda não se sabe se ele permanecerá no DF ou será transferido para o Complexo Médico Penal, em Pinhais, na Grande Curitiba, onde estão detidos outros presos da Lava Jato.

Segundo a ordem de prisão, expedida na noite desta quinta-feira (17) pela a juíza federal substituta, Gabriela Hardt, o ex-ministro deve cumprir pena, inicialmente, no Paraná.

"Após a efetivação da prisão, autorizo desde logo a transferência para o sistema prisional em Curitiba, Complexo Médico Penal, ala reservada aos presos da Operação Lavajato, sem prejuízo de eventual recambiamento ao Complexo Penitenciário da Papuda, no futuro, se for o caso", diz o documento.

A ordem de prisão foi expedida nesta quinta depois que o Tribunal Regional Federal da Quarta Região, em Porto Alegre, negou os embargos de declaração da defesa do ex-ministro.

Com isso, estão esgotadas, na segunda instância, as possibilidades de recurso à decisão que condenou Dirceu a 30 anos e nove meses de prisão, pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e envolvimento em organização criminosa. A pena deve ser cumprida em regime inicialmente fechado. O ex-ministro já ficou preso de forma preventiva por um ano e oito meses.

Desde maio do ano passado, Dirceu está em prisão domiciliar, monitorado por tornozeleira eletrônica, depois que o Supremo Tribunal Federal autorizou que ele aguardasse em liberdade os recursos na segunda instância.