Juiz estipula fiança de R$ 8 milhões para operador de Beto Richa deixar a prisão

Roger Pereira e Thaissa Martiniuk - Bandnews FM Curitiba


Em cumprimento a liminar do presidente do Supremo Tribunal Federal, José Antonio Dias Toffoli, que determinou a substituição da prisão preventiva por medias alternativas ao empresário Jorge Atherino, investigado na 53ª fase da Operação Lava Jato (Operação Piloto), o juiz federal Paulo Sérgio Ribeiro, da 23ª Vara Federal de Curitiba determinou, nesta segunda-feira, entre as “medidas alternativas”, o pagamento de uma fiança de R$ 8 milhões.

De acordo com o magistrado, a importância é o dobro do valor relacionado ao fato criminoso que foi objeto de denúncia do Ministério Público Federal. Atherino é acusado de ser o “operador financeiro” de um esquema de pagamento propina ao grupo político do ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB).

A decisão de soltar o empresário foi dada no último sábado (12 de janeiro) pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli. O ministro acatou os argumentos da defesa de Atherino que afirmou que a movimentação financeira das empresas dele, por si só, não justificaria a prisão. Os advogados ainda alegaram que, como Beto Richa não é mais governador do Paraná e Atherino não atua mais com o ex-governador, não há risco de recorrência do crime.

Apesar de aceitar o pedido para soltar o empresário, o ministro do STF determinou que as medidas cautelares que vão substituir a prisão preventiva sejam definidas pelo juízo da 23ª Vara Federal de Curitiba. Desta forma, o juiz Paulo Sérgio Ribeiro, além da fiança, definiu que Atherino terá de usar uma tornozeleira eletrônica, está proibido de manter contato com os demais denunciados, deve permanecer afastado de qualquer atividade relacionada a gestão das empresas identificadas na investigação e está proibido de sair da cidade onde mora.

A Operação Piloto, apura o pagamento de R$ 4 milhões em propinas pelo Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht, em favor de agentes públicos e privados do Paraná. Em contrapartida a empreiteira teria sido beneficiada na licitação para as obras da rodovia estadual PR-323, no interior do Estado, no ano de 2014. O dinheiro teria ajudado a financiar a campanha de reeleição do ex-governador do estado em 2014. Atherino foi preso juntamente com o ex-chefe de gabinete de Richa, Deonilson Roldo, que não foi beneficiado pelo habeas corpus de Toffoli e segue preso em Curitiba.

Previous ArticleNext Article
Roger Pereira
Repórter do Paraná Portal