Julgamento de Richa por estadia em Paris com dinheiro público é adiado pela terceira vez

Fernando Garcel


A 4ª Câmara do Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR) adiou pela terceira vez, nesta terça-feira (17), o julgamento do recurso do processo em que o ex-governador e pré-candidato ao Senado Beto Richa (PSDB) e sua esposa, Fernanda Richa, foram condenados a restituir verbas utilizadas em uma estadia em Paris, em 2015. Desta vez, o motivo foi a licença da presidente do colegiado que retorna para as atividades a partir da próxima quarta-feira (25). Agora, o processo deve voltar para pauta no dia 31 de julho.

Beto Richa vira réu por suspeita de aplicação irregular de verba na saúde
Richa diz que ex-servidora foi responsável por irregularidades com verba da Saúde

O processo aguarda o voto da presidente da 4ª Câmara, desembargadora Regina Helena Afonso de Oliveira Portes, que pediu vista para analisar o recurso desde que a relatora do caso, desembargadora Astrid Maranhão, votou pela manutenção integral da sentença do juiz Roger Vinicius Pires de Camargo Oliveira, no último dia 26 de junho.

Com voto pela condenação, pedido de vista adia julgamento de Richa em segunda instância

A turma de magistrados que compõe a 4ª Câmara do Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR) também é formada pelo desembargador Abraham Lincoln Calixto. Em caso de divergência entre os três votos, o processo é avaliado pelo pleno com votos da desembargadora Maria Aparecida Blanco de Lima e do juiz substituto Hamilton Rafael Marins Schwartz.

De acordo com os autores da ação popular, a expectativa é que a condenação em primeiro grau seja mantida e que o ex-governador seja obrigado a devolver o dinheiro público. Neste caso, os desembargadores podem se pronunciar sobre o eventual crime contra o patrimônio público, o que poderia impedir a candidatura de Richa ao Senado por se tratar de crime tipificado na Lei de Ficha Limpa.

Sobre a corrida eleitoral, o advogado Ramon Bentivenha, que representa a ação popular, destaca que a intenção do processo não é eleitoral. “Quanto mais perto das eleições maior é o grau eleitoreiro da sessão e isso não é a nossa intenção. Ele já deveria ter sido julgado, devolvido o dinheiro e ter arcado com as consequências”, comenta.

Estadia em Paris

Em outubro de 2015, Richa passou o fim de semana em um hotel cinco estrelas em Paris, às custas do estado. Quatro pessoas, incluindo o governador e a esposa dele, Fernanda Richa, que era secretária de Desenvolvimento Social na época, ficaram no hotel Napoléon, em uma das regiões mais luxuosas de Paris, onde a diária custaria cerca de 250 euros por pessoa — por volta de R$ 1.000.

Imagens públicas de uma das suítes do Hotel Napoléon, localizado nas redondezas do Arco do Triunfo e da região de compras da Avenida Champs-Élysées | Reprodução / TJ

Na ocasião, não havia agenda oficial em Paris. Segundo o Portal da Transparência, o custo foi de R$ 38 mil por pessoa, incluindo passagens, hospedagem e alimentação para todos os dias. Em nota oficial, o governo afirma que a comitiva fez uma parada técnica em Paris, em função da disponibilidade de voos e conexões para Xangai.

Na sentença, o juiz declarou “a nulidade dos atos administrativos que autorizaram as despesas injustificadas despendidas pelos requeridos e comitiva, arcadas pelo erário público, isto nos dias 10/10/2105 e 11/10/2015 em Paris (França), concernente aos dias que antecederam a missão oficial em comento (China, Rússia e França)“.

O magistrado também lembrou a situação dos cofres públicos do Estado. “Ao contrário do descrito pelo Estado/PR em sua defesa, desumano não é passar por um voo por mais de vinte quatro horas, mas sim esperar por horas por um leito digno e atendimento hospitalar, por medicamentos, vagas em creches e escolas de qualidade, enquanto temos crise no sistema carcerário e na segurança pública, bem como servidores com salários atrasados ante a falta de dinheiro público, em que pese toda a arrecadação fiscal, como se vê atualmente no cenário nacional por conta administração pública, no mínimo, temerária da coisa pública, o que nos conduziu ao caos e à crise política, social, econômica e moral neste país.”

Na época, o governador afirmou que a viagem foi realizada devido a custos menores de conexão para retorno do Brasil e argumentou que a viagem foi feita a convite do Governador da Província de Anhui (China) e que os valores das despesas já haviam sido devolvidos. “[…] Tais valores já foram restituídos voluntariamente ao final da missão internacional, que teve por escopo a busca de investimentos e empregos para o Paraná. Os valores ressarcidos aos cofres públicos, inclusive, foram superiores aos utilizados na parada técnica na França. Assim sendo, o Estado apresentará recurso contra a decisão de forma a ser restabelecida a justiça ao caso concreto”, finaliza a nota.

Previous ArticleNext Article