Justiça manda bloquear bens de prefeito de Cornélio Procópio

Francielly Azevedo

A juíza da 1ª Vara da Fazenda Pública de Cornélio Procópio, Thais Terumi Oto, determinou o bloqueio de bens do prefeito de Cornélio Procópio, Amin Hannouche (PSDB), em uma ação de improbidade administrativa. O chefe do poder administrativo e mais quatro réus foram acionados em função de contratações irregulares de uma rádio para realização de shows no município. O tucano pode recorrer.

A decisão liminar foi despachada na última sexta-feira (9) e divulgada nesta segunda-feira (11) pelo Ministério Público do Paraná (MP-PR). Além de Hannouche, são réus o ex-prefeito do município, Frederico Carlos de Carvalho Alves, os sócios da emissora, José Leite Cordeiro e Allysson Kalil Cordeiro, e a Rádio Graúna LDTA – ME.

Segundo o MP-PR, foram ajuizadas duas ações por improbidade administrativa referentes aos contratos ilegais. Na primeira ação, que resultou liminarmente no bloqueio de bens no montante de aproximadamente R$ 425 mil, foram acionados o atual prefeito do município do Norte Pioneiro paranaense (que também foi prefeito nas gestões 2005-2008 e 2009-2012), o ex-prefeito da gestão 2013-2016, a emissora de rádio e seus sócios pela prática de ato de improbidade administrativa que resultou em dano aos cofres públicos.

A rádio foi contratada com dispensa indevida de licitação, tendo como objeto a realização de duas edições do evento “Show dos Shows”, em comemoração ao aniversário conjunto do município e da rádio, em 2015 e 2017. O MP-PR pede a condenação dos réus com base na Lei de Improbidade, que prevê penas como perda da função pública, suspensão dos direitos políticos e pagamento de multa, além do ressarcimento integral do dano.


A segunda ação é relacionada à contratação irregular da emissora para promoção de evento em comemoração à mesma data, em 2009. Como os atos de improbidade decorrentes dessa contratação já estão prescritos, a ação requer apenas o ressarcimento dos danos causados aos cofres do município, calculados em R$ 107 mil. São réus nesta ação o atual prefeito (que também era chefe do Executivo municipal na época), a rádio e mais cinco réus envolvidos na contratação irregular.

Post anteriorPróximo post
Jornalista, formada pela Universidade Tuiuti do Paraná. Repórter do Paraná Portal e Rádio CBN. Tem passagens pela TV éParaná, TV Assembleia, TV Transamérica, CATVE, Rádio Iguassu e Folha de Londrina.
Comentários de Facebook