Justiça mantém apreensão de bens de Richa, mas nega pedido de leilão

Cleverson Bravo - BandNews FM Curitiba

O juiz Fernando Bardelli Silva Fischer, da 9ª Vara Criminal de Curitiba, negou o pedido de restituição de bens feito pela defesa de Beto Richa. O ex-governador do Paraná é réu em três ações penais vinculadas à Operação Quadro Negro, que apura desvios de cerca de R$ 20 milhões destinados a construção e reforma de escolas públicas. Richa responde pelos crimes de corrupção passiva, fraudes à licitação, além de obstrução de investigação e formação de organização criminosa.

Na denúncia, o Ministério Público sustenta que o ex-governador se beneficiou com o pagamento de propinas. Richa tinha sido preso no dia 19 de março, mesma data em que foi cumprido mandado de busca e apreensão em endereços dele. Foram apreendidos diversos bens, como óculos de sol, abotoaduras, canetas, relógios, prendedor de gravatas, cinto, correntes, pulseira, anel, entre outros.

A defesa de Richa alega que os objetos não têm relação com os crimes investigados, não foram adquiridos com valores ilícitos e, portanto, pediu a restituição dos bens. No despacho desta quarta-feira (17), o juiz afirma que os fatos sugeridos pela defesa de Richa só vão ser esclarecidos ao final da apuração. Além disso, ele ressalta como os objetos ‘apresentam considerável valor econômico’ e, neste momento, ‘não se descarta a possibilidade de que tais bens estejam direta ou indiretamente vinculados com’ as práticas fraudulentas.

O Gaeco, do Ministério Público, também tinha pedido à Justiça que os bens fossem leiloados, com o objetivo de impedir a desvalorização do patrimônio. O juiz entende que a natureza dos bens não justifica ‘uma medida de natureza urgente’, como o leilão, e também negou o pedido do MP. No mesmo despacho, ele ainda autorizou a restituição ‘dos óculos de sol e do cinto apreendidos’ nos endereços de Richa.


O juiz destacou que são ‘bens pessoais de valor menos elevado’. Agora, o Ministério Público tem cinco dias para se manifestar a respeito dos objetos apreendidos e ‘que eventualmente não interessem ao processo’, para que também possam ser devolvidos.

Post anteriorPróximo post
Comentários de Facebook