Justiça portuguesa nega pedido de extradição de empresário investigado na Lava Jato

Juliana Goss - BandNews FM Curitiba


O empresário investigado na Lava Jato, Raul Schmidt, teve a extradição para o Brasil negada pela Justiça de Portugal. A decisão em última instância foi unânime do Supremo Tribunal de Justiça daquele País. O empresário tem a nacionalidade portuguesa e é alvo de investigações da Lava Jato relacionadas ao pagamento de propina a ex-gestores da Petrobras, como Renato Duque, Nestor Cerveró e Jorge Zelada. O pedido de extradição foi feito pelo ex-juiz federal Sérgio Moro, agora ministro da Justiça e da Segurança Pública.

Schmidt chegou a ser preso em Lisboa durante a deflagração da 25ª fase da Operação, em março de 2016. No entanto, a Justiça de Portugal permitiu que ele respondesse em liberdade. Na sequência o então juiz responsável pelas ações da Lava Jato em primeira instância, Sérgio Moro, solicitou a extradição de Raul. Depois disso veio uma série de impasses jurídicos. A Justiça portuguesa chegou a autorizar a extradição no início do ano passado, mas logo depois acatou um pedido de habeas corpus do investigado.

Em novembro de 2018 a juíza substituta Gabriela Hardt pediu que o processo contra Raul fosse transferido para Portugal. No entanto, o Ministério Público Federal foi contra a medida e a magistrada voltou atrás. No início deste ano, a juíza deixou em aberto a ação penal aguardando um posicionamento definitivo da Justiça portuguesa sobre a extradição. Até o momento a magistrada ainda não manifestou a respeito da decisão do tribunal superior de Portugal.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="586817" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]