Lava Jato: Walter Faria, do Grupo Petrópolis, é acusado por lavar R$ 1 bi para a Odebrecht

Angelo Sfair

walter faria, lavagem de dinheiro, grupo petrópolis, cervejaria itaipava, habeas corpus, tornozeleira eletrônica, trf4, tribunal regional federal da 4ª região, fiança, R$ 40 milhões, repatriação, rock city, lava jato, operação lava jato, odebrecht, bloqueio

A força-tarefa Lava Jato em Curitiba denunciou Walter Faria, dono do Grupo Petrópolis, por 642 atos de lavagem de dinheiro, que totalizam mais de R$ 1,1 bilhão. Conforme o MPF (Ministério Público Federal), o empresário agiu ao lado de outras 22 pessoas ligadas ao Grupo Petrópolis, ao Antígua Overseas Bank e ao Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht. Todos os 23 alvos foram acusados por crimes de lavagem de dinheiro e organização criminosa.

A acusação é decorrente da 62ª fase da Operação Lava Jato. De acordo com a força-tarefa, Walter Faria teria cometido os crimes entre 2006 e 2014. Os atos de lavagem de dinheiro aconteceram em benefício da Odebrecht. Assim, a construtora conseguiu dar aparência de legalidade a valores que originalmente foram desviados de contratos públicos, sobretudo da Petrobras.

Walter Faria, proprietário do Grupo Petrópolis, atuou em larga escala na lavagem de ativos e desempenhou substancial papel como grande operador do pagamento de propinas principalmente relacionadas a desvios de recursos públicos da Petrobras. As evidências apontam que, além de ter atuado no pagamento de subornos decorrentes do contrato da sonda Petrobras 10.000, Faria capitaneou a lavagem de centenas de milhões de reais em conjunto com o grupo Odebrecht“, diz trecho da denúncia.

CONTRAPARTIDA A WALTER FARIA

Narra a denúncia da força-tarefa Lava Jato em Curitiba que Walter Faria foi beneficiado de duas formas. Ele teria recebido vultuosos pagamentos da Odebrecht, sempre em contas no exterior. Além disso, o controlador da cervejaria Itaipava também teria atuado em uma série de negócios jurídicos fraudulentos no Brasil.

Em troca, conforme a denúncia, Walter Faria teria atuado na geração de recursos em espécie para distribuição a agentes corrompidos no Brasil, ao trocar dólares por reais. O empresário teria repassado propina travestida de doação eleitoral, atendendo a interessas da Odebrecht. Além disso, também teria distribuído propinas a agentes públicos por meio de contas que mantinha no exterior.

“SEM PRECEDENTES”, DIZ LAVA JATO

A denúncia contra o empresário Walter Faria, dono do Grupo Petrópolis e controlador de marcas como a cerveja Itaipava, acontece na mesma semana em que ele foi beneficiado com um habeas corpus concedido pelo TRF4.

LEIA MAIS:
+ Walter Faria, do Grupo Petrópolis, poderá sair da cadeia mediante fiança de R$ 40 milhões

Conforme a força-tarefa Lava Jato em Curitiba, o montante de R$ 1,1 bilhão supostamente lavado por Walter Faria não encontra precedentes.

“O volume e sofisticação do esquema de lavagem de dinheiro não tem precedentes, mesmo na Lava Jato. Embora em volume os montantes sejam comparáveis, talvez, aos casos envolvendo os maiores operadores, como Adir Assad e Alberto Youssef, neste caso foram utilizadas várias técnicas de lavagem, dentre as quais se destaca a chamada commingling, que é a mistura de recursos ilícitos à atividade lícita de uma empresa e que deixa ainda mais difícil a descoberta e comprovação dos crimes”, afirmou o procurador da República Antonio Diniz, por meio de nota do MPF.

OUTRO LADO

Em nota, o Grupo Petrópolis afirmou que “os fatos mencionados já foram esclarecidos e arquivados em decisão do TRE”.

O advogado Cleber Lopes de Oliveira, que lidera a defesa do empresário, afirmou ao Paraná Portal que a denúncia é uma afronta à Constituição, citando a decisão do TRF4, que concedeu um habeas corpus a Walter Faria nessa semana.

“O Ministério Público Federal está agindo de forma pessoalizada. É uma falta de respeito à Constituição”, questionou.

Após receber a notificação, Walter Faria terá 10 dias para apresentar a defesa prévia. Caberá à 13ª Vara Federal de Curitiba avaliar o teor da denúncia.

Previous ArticleNext Article