Lava Jato afirma que Aloysio Nunes usou ‘relação pessoal’ com Gilmar Mendes para interferir em investigações

Cleverson Bravo - BandNews FM Curitiba

A Força-Tarefa da Lava Jato no Paraná encaminhou para a Procuradora-Geral da República, Raquel Dodge, informações que poderiam caracterizar a suspeição ou impedimento do Ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, em ações envolvendo o ex-Ministro Aloysio Nunes Ferreira e o ex-diretor da Dersa, Paulo Preto.

A Força-Tarefa destaca que foram encontrados registros de chamadas e mensagens, no celular do ex-Ministro, que sugerem que, em fevereiro, Aloysio Nunes se valeu de ‘relação pessoal’ para atuar, em interesse próprio e do ex-diretor da Dersa, junto ao Ministro Gilmar Mendes. As informações foram localizadas quando Aloysio Nunes foi alvo de mandado de busca e apreensão na fase 60 da Lava Jato, etapa em que Paulo Preto também é investigado. Segundo a Força-Tarefa, o objetivo do ex-Ministro era protelar o processo na 5ª Vara Criminal de São Paulo, através de um Habeas Corpus.

Os documentos mostram, por exemplo, a troca de mensagens com o advogado José Roberto Santoro, que na oportunidade representava Paulo Preto. No dia 10 de fevereiro, em uma das conversas, ele pergunta a Aloysio Nunes se ele tinha falado ‘com nosso amigo’.

No dia seguinte, o próprio ex-Ministro manteve contato com um ramal do gabinete de Gilmar Mendes. Dois dias mais tarde, o Ministro deferiu o Habeas Corpus. A Lava Jato chama atenção que Paulo Preto teria disponibilizado recursos ilícitos, no exterior, para Aloysio Nunes, e que o ex-diretor da Dersa é apontado como operador do PSDB. A Força-Tarefa ainda destaca que, em outro inquérito, uma investigação envolvendo Aloysio Nunes foi arquivada, antes do final das diligências, com voto favorável de Gilmar Mendes.


Post anteriorPróximo post
Comentários de Facebook