Lava Jato: Justiça bloqueia R$ 3,5 bilhões de réus ligados ao Grupo Petrópolis

Redação

O dono do Grupo Petrópolis, Walter Faria, não consta nesta lista de bloqueio
walter faria, lavagem de dinheiro, grupo petrópolis, cervejaria itaipava, habeas corpus, tornozeleira eletrônica, trf4, tribunal regional federal da 4ª região, fiança, R$ 40 milhões, repatriação, rock city, lava jato, operação lava jato, odebrecht, bloqueio

A 13ª Vara Federal de Curitiba determinou o bloqueio de R$ 3,5 bilhões de sete réus da Operação Lava Jato ligados ao Grupo Petrópolis, controlador da Cervejaria Itaipava. Eles são acusados de movimentar mais de R$ 1,1 trilhão para a Odebrecht no exterior, entre 2006 e 2014.

A decisão afeta os réus: Altair Roberto de Souza Toledo, Márcio Roberto Alves do Nascimento, Naede de Almeida, Roberto Luís Ramos Fontes Lopes, Vanusa Regina Faria, Weder Faria e Wladimir Teles de Oliveira.

Eles são acusados por crimes de lavagem de dinheiro, corrupção e pertinência à organização criminosa. De acordo com a força-tarefa Lava Jato no MPF (Ministério Público Federal), o grupo fez pagamentos ilegais travestidos de doações eleitorais em favor da Odebrecht. A origem dos recursos está ligada aos desvios descobertos na Petrobras.

A denúncia é decorrente da 62ª fase da Operação Lava Jato. Foram denunciados Walter Faria, proprietário do Grupo Petrópolis, e outras 22 pessoas ligadas à empresa controladora da Cervejaria Itaipava, ao Antígua Overseas Bank e ao departamento de Operações Estruturadas do Grupo Odebrecht.

O procurador da República Alexandre Jabur afirma que a denúncia se destaca pelo volume de recursos movimentado no esquema criminoso e as técnicas complexas de lavagem de dinheiro que dificultam a comprovação dos crimes. Conforme a Lava Jato, recursos lícitos e ilícitos se misturam na contabilidade do Grupo Petrópolis,

“Tratava-se de um esquema sofisticado de lavagem de dinheiro, envolvendo muitas pessoas agindo juntas, além de operações no exterior por meio de offshores. O bloqueio de bens de parte dos réus indica que a denúncia apresenta argumentos sólidos sobre a prática desses crimes”, afirmou Jabur.

De acordo com a força-tarefa Lava Jato no Paraná, Walter Faria atuou em larga escala na lavagem de ativos e desempenhou papel fundamental como principal operador do pagamento de propinas, principalmente relacionadas a desvios de recursos públicos da Petrobras.

As evidências apontam que Walter Faria lavou centenas de milhões de reais em conjunto com o Grupo Odebrecht. Além disso, teria atuado no pagamento de subornos decorrentes do contrato da sonda Petrobras 10.000.

Conforme a Lava Jato, em contrapartida o dono do Grupo Petrópolis recebeu altas somas de dinheiro no exterior e uma série de negócios jurídicos fraudulentos no Brasil.

Previous ArticleNext Article