Política
Compartilhar

Lula: Justiça do DF arquiva caso do tríplex do Guarujá

A Justiça do Distrito Federal arquivou o processo do tríplex do Guarujá, que envolveu e motivou a prisão do ex-presidente Lula.

Vinicius Cordeiro - 28 de janeiro de 2022, 13:29

(Ricardo Stuckert)
(Ricardo Stuckert)

O processo sobre o tríplex do Guarujá, que envolve o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, foi arquivado por determinação da juíza Pollyanna Alves, da 12ª Vara Federal Criminal de Brasília. A decisão aconteceu nesta quinta-feira (27) e foi divulgada nesta sexta. 

"Acolho a promoção ministerial e determino o arquivamento dos autos", diz trecho da decisão da magistrada.

A Procuradoria da República no Distrito Federal já havia se manifestado pelo arquivamento do caso após o plenário do STF (Supremo Tribunal Federal) considerar suspeita a atuação do ex-juiz Sergio Moro no caso. Com aquela decisão, a condenação de Lula já havia sido anulada.

Na decisão, a juíza aponta que já houve prescrição devido ao prazo ser reduzido pela metade para réus com mais de 70 anos. “Ressalto, por oportuno, que a prescrição ora reconhecida decorre da anulação promovida pelo Supremo Tribunal Federal de todos os atos praticados pelo então juiz federal Sérgio Fernando Moro”, diz.

Diante desse cenário, Lula voltou a ser elegível. O petista lidera as últimas pesquisas eleitorais com vantagem sobre o atual presidente Jair Bolsonaro. Sergio Moro e Ciro Gomes aparecem na sequência.

PROCESSO MOTIVOU A PRISÃO DE LULA: RELEMBRE

Lula foi acusado de lavagem de dinheiro e corrupção ativa e passiva no caso envolvendo o tríplex do Guarujá.

Com a condenação, ele ficou preso por 580 dias na sede da Superintendência da Polícia Federal do Paraná, em Curitiba. O petista só entrou em liberdade no dia 8 de novembro de 2019, após o STF proibir a prisão após condenação em segunda instância.

DEFESA DE LULA: CASO DO TRÍPLEX NÃO TEVE ACUSAÇÃO CONCRETA

Os advogados Cristiano Zanin Martins e Valeska Teixeira Martins afirmam que o arquivamento reforça o que já afirmavam: o caso contra Lula não tinha nenhuma materialidade para a condenação do ex-presidente. 

"O encerramento definitivo do caso do tríplex pela Justiça reforça que ele serviu apenas para que alguns membros do Sistema de Justiça praticassem lawfare contra Lula, vale dizer, para que fizessem uso estratégico e perverso das leis para perseguir judicialmente o ex-presidente com objetivos políticos. Um caso sem nenhuma materialidade nem acusação concreta, e apenas com provas de inocência do ex-presidente", disseram os advogados de Lula em nota.