Política
Compartilhar

Lula quer recriar ministérios e pasta para questões indígenas

Petista afirmou nesta quarta-feira (27) que, caso eleito, Cultura, Igualdade Racial e Pesca terão próprias pastas.

Redação - 27 de julho de 2022, 11:16

(Foto: Marlene Bergamo/Folhapress)
(Foto: Marlene Bergamo/Folhapress)

O candidato à presidência da República pelo PT, Luiz Inácio Lula da Silva, quer recriar ministérios que eram ativos durante o governo dele. Já em tom de campanha eleitoral, o petista afirmou nesta quarta-feira (27) que, caso eleito, Cultura, Igualdade Racial e Pesca terão próprias pastas.

Além disso, o presidenciável disse ter a intenção de criar um ministério para cuidar das questões indígenas. De acordo com Lula, seria "comandado por um indígena e não por um branco de terno e gravata".

"Vou recriar ministérios que existiam no meu governo. Ministério da Cultura, da Igualdade Racial, da Pesca. E vou criar um ministério para cuidar das questões indígenas, comandado por um indígena, não por um branco de terno e gravata", publicou no Twitter nesta quarta-feira.

No final do governo Lula, em 2010, Cultura e Pesca já tinham próprias pastas, enquanto a Igualdade Racial fazia parte de uma secretaria ligada ao Poder Executivo.

TRAJETÓRIA DE LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA, CANDIDATO DO PT À PRESIDÊNCIA DO BRASIL

Luiz Inácio Lula da Silva tem 76 anos e nasceu em Garanhuns, agreste de Pernambuco. Foi torneiro mecânico e líder sindicalista no final dos anos 60, já durante a ditadura militar.

Em 1975, foi eleito presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo e Diadema. Começou a ser conhecido nacionalmente dois anos depois, quando liderou uma reivindicação de aumento de salários de acordo com a inflação.

Lula liderou greves e foi preso pelos militares em 1980, ficando detido um mês. Foi um dos fundadores do Partido dos Trabalhadores e, em 1986, elegeu-se deputado federal por São Paulo.

Foi candidato à presidência em 1989, derrotado por Fernando Collor de Mello, em 1994 e 1998, derrotado por Fernando Henrique Cardoso. Foi eleito presidente do Brasil em 2002, vencendo José Serra, e reeleito em 2006, vencendo Geraldo Alckmin.

Em 2018, foi condenado e preso por conta da Operação Lava Jato, pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso de um tríplex no litoral de São Paulo.

Foi solto em 2019, um ano e meio depois, após revogação da prisão para condenados em segunda instância. Em 2021, o STF (Supremo Tribunal Federal) anulou as condenações de Lula e considerou Sergio Moro, então juiz responsável pelo caso, suspeito para julgar o ex-presidente.