Política
Compartilhar

Crise no Brasil tem reflexos no Uruguai, minha preocupação não é gratuita, diz Mujica

O ex-presidente do Uruguai, José “Pepe” Mujica, chegou à sede da Polícia Federal de Curitiba por volta das 15h30 para vi..

Roger Pereira - 21 de junho de 2018, 15:06

Foto de Gibran Mendes
Foto de Gibran Mendes

O ex-presidente do Uruguai, José “Pepe” Mujica, chegou à sede da Polícia Federal de Curitiba por volta das 15h30 para visitar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso há mais de dois meses na capital paranaense.As quintas-feiras são o dia usual de visitas do ex-presidente. Geralmente, ele recebe familiares e mais dois amigos, cujos nomes devem ser previamente informados à PF. Acompanhado da senadora Gleisi Hoffmann, presidente nacional do PT, Mujica fez um breve discurso para os militantes que se organizam em vigília, em frente ao prédio da PF para protestar pela liberadade de Lula, antes de visitar o ex-presidente.

Chamando os militantes de companheiros de luta, Mujica disse que "homens e mulheres podem ser presos, mas a causa dos homens e mulheres que lutam nunca está presa, porque caminha nas pernas e braços dos companheiros". O ex-presidente uruguaio afirmou que a luta que eles fazem não começou e nem acabará nesta geração. "Essa é uma luta muito grande. Não começou com a gente e não vai terminar com a gente. Quando acabar nossa vida, saberemos que valeu a pena dedicar uma parte dela para servir a causa da igualdade da vida sobre a Terra. Nosso sonho de homem. Essa luta não termina amanhã, passará toda a nossa vida e a vida das próximas gerações", disse. "É importante ter uma causa para viver, não só viver porque se nasceu", acrescentou.

Mujica disse que Lula, hoje, é o símbolo desta luta pela igualdade. "Lula são todos, todos os que têm problemas nas cidades da América Latina".

Ao deixar a sede da PF, Mujica disse que a conversa com Lula foi muito cordial “Fazia tempo que eu não o via. Encontrei com bom ânimo, bom temperamento, com alguns quilos a menos, lendo muitos livros e preocupado com o futuro do Brasil e da América latina”.

Mujica destacou a importância do Brasil para a América Latina e, especificamente, para o Uruguai “Pertenço a um pequeno país e quando Lula foi presidente deste país gigantesco, teve muita consideração pelos países pequenos da América Latina. O Brasil se comportou como uma espécia de irmão mais velho. Reconheceremos sempre isso”, disse. “Uruguai é um país pequeno, no meio dos gigantes Brasil e Argentina. Quando algum vizinho nosso se resfria, o Uruguai se gripa. Meu desejo que o Brasil possa superar seu problema não é gratuito, porque se o Brasil anda mal, nós também andamos mal. Não há como desvincular as economias. Por isso que minha pátria se chama América Latina”, acrescentou.

Questionado como ele pensa o atual momento do Brasil e se acha que vivemos uma crise da democracia, ele foi enfático. “Não penso, vejo. O que mais me preocupa é como o povo brasileiro pode calçar seu futuro para superar as contradições, não perder sua alegria e não cair em uma confrontação. Esse é meu sentimento”, disse. “Tenho oitenta e tantos anos anos, eu não vou ver, mas o mundo que há de vir, precisa que nós latino americanos tenhamos astúcia e grandeza de darmos conta que temos que ter forte vínculo, senão, não existiremos”, concluiu.

Último encontro

Mujica participou da última caravana Lula pelo Brasil, em março. Os ex-presidentes se encontraram na fronteira entre as cidades de Rivera e Santana do Livramento. Ambos se conheceram em 2005, durante a possa de Tabaré Vásquez, que foi presidente do Uruguai até 2010.

Na época do primeiro encontro, Lula já era presidente do Brasil e Mujica era senador do seu país. Ele foi eleito presidente em 2010.

Em abril deste anos, alguns dias após a prisão de Lula, Mujica enviou um recado por meio de um vídeo, publicado nas redes sociais. “Os únicos derrotados são os que baixam os braços”, diz.