Mandetta diz que não força demissão e cita “estresse coletivo” no combate à Covid-19

Redação

mandetta governo bolsonaro

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse que não força uma demissão do governo federal após às recentes declarações de confronto ao presidente Jair Bolsonaro. No último domingo (12), ele disse que a população “não sabe se escuta o ministro ou presidente”.

“Não vejo nesse sentido, não [de forçar demissão]. É mais uma questão de como a gente vai comunicar”, disse Mandetta.

“Sabemos que precisaremos passar pelo estresse que sempre falamos, é natural. Acho que é natural que cada um tenha uma visão muito atenta de suas pastas. A pasta da Saúde tem uma visão atenta de tudo que vem passando. Estamos passando por uma situação de muito estresse coletivo”, completou.

Mandetta segue em uma posição instável no governo Bolsonaro. Vale lembrar que o presidente quis exonerar o ministro no início da semana passada, mas viu a medida ser contornada por interlocutores, entre eles ministros militares. Na ocasião, Mandetta ganhou força política e declarou que “não iria abandonar” sua função mesmo admitindo que chegaram a tirar coisas da sua gaveta.

Contudo, o apoio dos militares foi perdido após a entrevista ao Fantástico. Os ministros viram a declaração como uma ‘provocação desnecessária’.

AO LADO DE MANDETTA, ONYX ELOGIA BOLSONARO

Onyx Lorenzoni, ministro da Cidadania e um dos primeiros aliados de Jair Bolsonaro, saiu na corrida ao Palácio do Planalto, saiu em defesa do presidente da República durante a entrevista do governo federal nesta terça-feira (14).

“Bolsonaro, de maneira corajosa, como comandante da nossa nação, faz um posicionamento de equilibrar os cuidados na área da saúde com as questões de sobrevivência econômica”, afirmou.

“Todo o Brasil sabe quem era o país em janeiro de 2019, sem confiança interna e onde o mundo inteiro olhava com desconfiança. Em 2019, foi feita a recuperação do Brasil”, completou Onyx.

A manifestação de apoio vem depois conversa vazada pela CNN Brasil, na semana passada, entre Onyx e o deputado Osmar Terra discutem a saída de Mandetta do governo. Na conversa, Onyx afirma que “se estivesse na cadeira [da presidência] (…) teria cortado a cabeça [de Mandetta]”.

Contudo, os dois não trocaram palavras e nem menções durante a entrevista coletiva. O diálogo também não foi questionado em nenhum momento pelos repórteres.

Quem adotou uma postura mais conciliadora, foi o ministro Walter Braga Netto, chefe da Casa Civil, que falou em “sinergia” e que “os ministérios estão trabalhando juntos”.

Previous ArticleNext Article