Michel Temer sugere a MBL liderar um processo para acalmar o país

Folhapress

Michel Temer - MBL


O ex-presidente Michel Temer (MDB) sugeriu neste sábado (16), durante 5º Congresso Nacional do Movimento Brasil Livre (MBL), que o movimento liderasse um processo de pacificação do país.

“O MBL poderia, com essa juventude toda, com natural entusiasmo, encabeçar um movimento pela tranquilização do país”, afirmou no segundo dia de evento, no WTC Center Events, no Brooklin, em São Paulo.

Recebido com aplausos, o ex-presidente foi sabatinado pelos jornalistas Carlos Andreazza, editor-executivo do Grupo Editorial Record, Fábio Zanini, repórter da Folha, e José Fucs e Vera Magalhães, ambos do jornal O Estado de S. Paulo.

Antes da entrada de Temer, os membros do MBL que apresentaram a mesa afirmaram que a participação do ex-presidente era um dos pontos altos das edições do congresso e que representava um amadurecimento do movimento nos últimos anos.

Em entrevista à Folha em julho deste ano, o coordenador nacional do MBL, Renan Santos, reconheceu que ele e seus colegas abriram “a caixa de Pandora de um discurso polarizado”.

No começo da sabatina, Temer agradeceu aos “amigos do MBL” e elogiou o documentário “Não Vai Ter Golpe”, lançado pelo movimento neste ano.

Questionado sobre se é importante o MDB e o próprio ex-presidente fazerem uma autocrítica, ele afirmou que é “sempre fundamental” e que fazia autocríticas até quando estava na Presidência. “Essa história que não é preciso, é conversa”, disse.

Temer também afirmou que o ex-presidente Lula (PT), que foi solto na sexta-feira (8) após passar 580 dias preso na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, faria bem se pedisse unidade ao país.

“Eu lamento muito que o ex-presidente Lula tenha se manifestado, nesses dias, aumentando essa radicalização ou, ainda, essa polarização [no país]”, disse.

Esse foi o último painel do evento, que se encerra neste sábado. O congresso reuniu políticos como o senador Alvaro Dias e o deputado federal Kim Kataguiri.

Neste ano, Temer esteve preso por duas ocasiões em ação ligada à Lava Jato. Ele é acusado pelo Ministério Público Federal de receber propina relacionada a um contrato firmado entre a estatal Eletronuclear, responsável pelas obras da usina de Angra 3, e as empresas Argeplan –do amigo do emedebista, o coronel João Baptista Lima Filho–, AF Consult e Engevix.

No início de abril, Temer se tornou réu nesse caso. Ele nega as acusações.

No caso da gravação envolvendo o empresário Joesley Bastista (da JBS), contudo, o ex-presidente foi absolvido em outubro.

O ex-presidente foi denunciado em 2017 pelo então procurador-geral da República Rodrigo Janot com base numa gravação em que, supostamente, incitava Joesley a manter pagamentos ao corretor Lúcio Bolonha Funaro e, com isso, evitar que ele fizesse um acordo de delação premiada.

A gravação foi feita pelo próprio Joesley, que viria a firmar colaboração, na garagem do Palácio do Jaburu, em março daquele mesmo ano.

Além de Funaro, a denúncia inicial de Janot acusava Temer de tentar comprar o silêncio do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (MDB-RJ).

Em sua decisão, o magistrado Marcus Vinícius Reis Bastos, da 12ª Vara da Justiça Federal em Brasília, sustenta que o MPF editou trechos de um áudio apresentado como prova e que o conteúdo não configura ilícito penal “nem em tese”.

O ex-presidente é réu em outros oito processos.

Previous ArticleNext Article