Política
Compartilhar

Moro parabeniza PF por prisão de hackers e liga grupo ao vazamento de supostas mensagens

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, parabenizou a Polícia Federal (PF) pela prisão dos quatro suspei..

Vinicius Cordeiro - 24 de julho de 2019, 14:30

Foto: Geraldo Bubniak &#124 AGB
Foto: Geraldo Bubniak &#124 AGB

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, parabenizou a Polícia Federal (PF) pela prisão dos quatro suspeitos de terem invadido seu celular. Além do ex-juiz federal, os supostos hackers também fizeram outras autoridades como vítimas dos ataques, como o procurador Deltan Dallagnol, chefe da Operação Lava Jato em Curitiba. Os quatro suspeitos foram detidos nesta terça-feira (23), quando foi deflagrada a Operação 'Spoofing'.

"Parabenizo a Polícia Federal pela investigação do grupo de hackers, assim como o MPF e a Justiça Federal", disse Moro em sua página no Twitter.

No entanto, Moro foi mais além. O ministro ligou os quatro suspeitos ao vazamentos das supostas mensagens entre ele e Dallagnol ao site Intercept. "Pessoas com antecendentes criminais, envolvidas em várias espécies de crimes. Elas, a fonte de confiança daqueles que divulgaram as supostas mensagens obtidas por crime", completou.

Por fim, o ministro ainda se disse preocupado. Segundo ele, a decisão do juiz afirma que os supostos hackers efetuaram mais de 5 mil ligações telefônicas. No entanto, constatou que foram apenas três em seu celular. "Preocupante", alertou.

Vale lembrar que Sergio Moro esteve de licença não remunerada na semana passada. O ministro ficou ausente das suas funções do dia 15 ao dia 19 para tratar de assuntos particulares.

https://twitter.com/SF_Moro/status/1154076172155793408

OPERAÇÃO SPOOFING

A operação recebeu esse nome por ser "um tipo de falsificação tecnológica que procura enganar uma rede ou uma pessoa fazendo-a acreditar que a fonte de uma informação é confiável quando, na realidade, não é”.

Ao todo, foram cumpridas 11 ordens judiciais - sete de busca e apreensão e outros quatro de prisão temporária. A operação aconteceu em três cidades: São Paulo, Araraquara e Ribeirão Preto.