Com Celso de Mello aposentado, Moro pede redistribuição imediata de inquérito no STF

Angelo Sfair

moro, sergio moro, stf, celso de mello, aposentadoria, jair bolsonaro, interferência, polícia federal, pf

A defesa do ex-juiz e ex-ministro da Justiça Sergio Moro pediu ao STF (Supremo Tribunal Federal), nesta terça-feira (13), a redistribuição imediata do inquérito que apura supostas interferências do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na Polícia Federal.

O processo era relatado pelo ministro Celso de Mello, que antecipou a aposentadoria. Os advogados de Moro solicitam celeridade e pendem que a redistribuição ocorra antes mesmo da sabatina de Kassio Nunes, indicado a ocupar a vaga no Supremo.

“Em virtude da aposentadoria do Decano do Supremo Tribunal Federal, Exmo. Ministro Celso de Mello, relator originário deste caderno investigatório, torna-se necessária a redistribuição do feito, considerando a natureza célere do procedimento inquisitorial bem como o prazo concedido para o seu término”, diz trecho da petição.

O advogado Rodrigo Sánchez Rios lembra que, a partir de hoje (13), o inquérito policial perde o relator originário, e por isso solicita ao presidente do STF a imediata redistribuição.

Sergio Moro acusa o presidente Jair Bolsonaro  de interferir nas investigações da Polícia Federal. As acusações foram feitas no dia em que ele pediu demissão do Ministério da Justiça e Segurança Pública, no dia 24 de abril.

Na ocasião, durante o pronunciamento de despedida, Moro reforçou que deixava a pasta por conta das interferências políticas do governo nas investigações feitas pela PF.

Previous ArticleNext Article