MST mantém mais de dez sedes do Incra ocupadas

Mariana Ohde


O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) mantém, desde a última segunda-feira (17), 14 superintendências e a sede nacional do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) ocupadas. As ocupações fazem parte da Jornada Nacional de Lutas pela Reforma Agrária.

O MST também ocupou a manhã desta quarta-feira (19), junto com agricultores, as terras do Açu, 5º distrito de São João da Barra, norte do estado do Rio de Janeiro. A área ocupada está ligada à massa falida das empresas de Eike Batista.

O grupo pede o reposicionamento da pauta da Reforma Agrária na agenda do país, com aquisição de terras para as mais de 120 mil famílias acampadas e um projeto de desenvolvimento para os assentamentos, que contemple o acesso a infraestruturas.

Durante a Jornada, também são realizados bloqueios de rodovias e ferrovias, marchas nas capitais, além de ocupações de terras e de superintendências do Incra e outros órgãos públicos.

Trabalhadores de 17 estados e do Distrito Federal se mobilizam por Reforma Agrária. Segundo o movimento, seguem ocupadas as superintendências da pasta da Reforma Agrária nos seguintes estados: Pernambuco, Minas Gerais, Sergipe, Piauí, Maranhão, Alagoas, Ceará, Espírito Santo, Mato Grosso, Goiás, Santa Catarina, Sergipe e Rio Grande do Sul, além da sede nacional no DF.

Em Minas Gerais, foram trancados as BR 381, 050 e 262, liberado o pedágio da BR 040 e bloqueada a ferrovia que carrega minério da empresa Vale.

Por todo o país, mais de 25 ocupações de latifúndios reivindicam o assentamento das famílias hoje acampadas, exigindo “a retomada de vistorias e aquisições de terras que não cumprem sua função social, a retomada de terras públicas griladas e a adjudicação das terras que estão em processo de execução por dívidas”, afirma Marcelo Durão, da direção nacional do MST no Rio de Janeiro.

Estão previstas agendas em Brasília com o presidente do Incra, Leonardo Goes, com a intenção de destravar as aquisições de terras e criação de assentamentos. Outras reuniões acontecem nos ministérios da Educação e das Cidades, para tratar das pautas de desenvolvimento dos assentamentos, habitação e educação do campo.

Manifestação em Curitiba

Na capital paranaense, cerca de 800 pessoas montaram um acampamento em frente à sede do Incra no Centro. O acampamento foi desmontado no final da tarde de terça-feira (18). Segundo a assessoria do MST, os manifestantes pediam uma audiência com o superintendente do Incra, que acabou sendo marcada para o dia 4 de maio. O Paraná tem aproximadamente 10 mil famílias acampadas.

Previous ArticleNext Article
Repórter no Paraná Portal
[post_explorer post_id="480987" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]