“Meritocracia” vai definir repasse de verbas para universidades estaduais, diz Ratinho Junior

Francielly Azevedo

O governador do Paraná, Ratinho Junior (PSD), falou sobre a criação de um modelo de verbas repassadas para as universidades estaduais paranaenses por meritocracia. Em um vídeo publicado pelo Portal i44 News, o chefe do Poder Executivo Estadual explica que os reitores já foram informados e estão em conversa com o governo para buscar um “modelo de gestão mais eficiente”.

A afirmação foi feita, nesta quarta-feira (15), em Campo Mourão, no noroeste do Paraná, no mesmo dia em que as principais cidades do país registraram protestos contra o corte de recursos da educação, proposto pelo governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

“Existe um orçamento. O orçamento vai ser respeitado. O que nós estamos construindo com os reitores de todas as universidades é um modelo de gestão mais eficiente. Não pode um aluno da área pública custar o dobro da área privada. Tem que ter explicações sobre isso. O dinheiro é do povo, não é do governador. O dinheiro é da população. Então, tem que ter transparência”, afirmou.

O governador destacou que as universidades precisam comprovar em que área estão investindo os recursos, que precisam ser bem distribuídos. “À medida do possível que as nossas universidades vão dando transparência, vão ganhando credibilidade e, automaticamente, recebem mais dinheiro. Estamos construindo isso com os reitores, para que a gente possa melhorar o desempenho. Não pode gastar quase 100% do dinheiro em folha, tem que ter manutenção do prédio, tem que ter melhoria no prédio e isso é gestão”, afirmou.

Ratinho falou ainda que o dinheiro será repassado às universidades estaduais por meritocracia. “Nós vamos cobrar eficiência. A universidade que fizer uma boa gestão vai receber mais dinheiro. Aquela que fizer uma gestão ruim recebe menos dinheiro. Vai ser por meritocracia”, garantiu.

O superintendente de Ensino Superior do Governo do Paraná, Aldo Bona, explicou ao Paraná Portal que o governo está fazendo uma análise da aplicação dos recursos. “O governo está definindo critérios para parametrizar a distribuição equitativa de recursos nas universidades estaduais. O modelo atual segue a evolução histórica. Toma-se como base o histórico anterior e projeta-se um crescimento. Temos que rever esse modelo e considerar também a demanda de trabalho e alocação de recursos de acordo com a demanda e também com a projeção de resultados”, destacou.

RETENÇÃO JÁ APLICADA

As sete universidades estaduais já passam por um contingenciamento de recursos desde o início da gestão de Ratinho. Logo que assumiu o cargo, o governador informou aos reitores a retenção de 20% do orçamento das instituições como forma de ajuste.

INVESTIGAÇÃO

No início do ano, o Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE) abriu um procedimento para apurar irregularidades na aplicação dos recursos por parte das universidades. Conforme o TCE, a decisão foi tomada após uma auditoria que analisou a legalidade dos atos de gestão administrativa, transparência e eficiência relativos aos gastos na área de pessoal das instituições.

São investigadas a Universidade Estadual de Londrina (UEL), Universidade Estadual de Maringá (UEM), Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), Universidade Estadual do Centro-Oeste do Paraná (Unicentro); Universidade Estadual do Norte do Paraná (Uenp) e Universidade Estadual do Paraná (Unespar).

 

Previous ArticleNext Article
Avatar
Jornalista, formada pela Universidade Tuiuti do Paraná. Tem passagens pela TV Educativa, TV Assembleia, TV Transamérica, CATVE, Rádio Iguassu e Folha de Londrina. Atualmente trabalha no Paraná Portal e na Rádio CBN.