Política
Compartilhar

Na TV, Ratinho capricha na edição, Arruda nas críticas e Rosinha na ironia

Os candidatos ao governo do Paraná usaram o primeiro programa eleitoral na TV para se apresentarem, mas o fizeram de for..

Roger Pereira - 31 de agosto de 2018, 16:17

Os candidatos ao governo do Paraná usaram o primeiro programa eleitoral na TV para se apresentarem, mas o fizeram de forma diferente. Enquanto a campanha de Ratinho Júnior (PSD) abusou dos recursos de edição para destacar sua trajetória, suas realizações na Secretaria de Desenvolvimento Urbano e seu projeto para um “Paraná do Futuro”, João Arruda (MDB) já tentou se posicionar como candidato de oposição, apresentando-se como alternativa à continuidade do governo Beto Richa (PSDB) e Dr. Rosinha (PT) usou da ironia, trazendo para o primeiro programa um “candidato boneco”, para criticar o “candidato que pede voto aos pobres e governa para os ricos”

Com menos de 10 segundos de tempo de TV, Jorge Bernadi (Rede) e Professor Piva (Psol) usaram seu tempo para se apresentarem e divulgarem seus sites de campanha. Por erro técnico da produção, o programa de Cida Borghetti (PP) não foi ao ar. Ogier Buchi (PSL), Ivan Bernardo (PSTU), Geonísio Marinho (PRTB) e Priscila Ebara (PCO) também não levaram ao ar suas propagandas no primeiro programa.

Abrindo o programa eleitoral, Ratinho Júnior trouxe, nos seus 2min03 de programa, um clipe que alternava imagens de arquivo digital com vídeos de seu passado e de sua carreira, além de algumas peças produzidas recentemente para apresentar-se. “O mundo está mudando, o Paraná também precisa mudar”, inicia o texto do candidato, que conta sua origem e sua carreira pública, destacando a atuação na Secretaria de Desenvolvimento Urbano do governo Beto Richa (PSDB), mas sem citar o ex-governador. “ Fui secretário de Desenvolvimento Urbano e entreguei o maior número de obras da história do Paraná! Sem nenhuma obra investigada pelo Ministério Público nem pelo Tribunal de Contas do Estado”, afirmou. Propondo uma gestao inovadora, ele diz que propõe “novas soluções para velhos problemas, sempre dando prioridade ao que é vital: saúde, educação, segurança, infraestrutura e acabar com as desigualdades”.