Política
Compartilhar

Nenhuma das 14 penitenciárias prometidas por Beto Richa foi entregue

Prometidas ainda pelo então governador Beto Richa (PSDB) para ficarem prontas no final de 2014, e depois, na campanha de..

Redação - 26 de dezembro de 2018, 10:56

JOINVILLE, SC, BRASIL, 27.11.2017 - Detentos ligados à facção criminosa Primeiro Grupo Catarinense tomam banho de sol em presídio de Joinville -  Detentos condenados cumprem pena na Penitenciária Industrial, considerada modelo, em  Joinville (SC). A direção da penitenciária estima que, dos 1.600 internos no complexo prisional, cerca de 160 sejam ligados ao PCC (Primeiro Comando da Capital) e o restante ao PGC (Primeiro Grupo Catarinense). (Foto: Avener Prado/Folhapress)
JOINVILLE, SC, BRASIL, 27.11.2017 - Detentos ligados à facção criminosa Primeiro Grupo Catarinense tomam banho de sol em presídio de Joinville - Detentos condenados cumprem pena na Penitenciária Industrial, considerada modelo, em Joinville (SC). A direção da penitenciária estima que, dos 1.600 internos no complexo prisional, cerca de 160 sejam ligados ao PCC (Primeiro Comando da Capital) e o restante ao PGC (Primeiro Grupo Catarinense). (Foto: Avener Prado/Folhapress)

Prometidas ainda pelo então governador Beto Richa (PSDB) para ficarem prontas no final de 2014, e depois, na campanha de reeleição, para o final de 2018, nenhuma das 14 obras de construção, reforma e ampliação das penitenciárias do Estado ficou pronta. Apenas duas devem ser entregues no primeiro semestre de 2019, já na gestão de Ratinho Júnior.

Ainda em Janeiro de 2011, a então secretária de Segurança Pública do Paraná, Maria Tereza Uille Gomes, afirmou que seriam seis mil novas vagas nas penitenciárias até o final do primeiro mandato de Richa. Quase oito anos se passaram e a superlotação nas delegacias de polícia e a falta de vagas no sistema penitenciário continuam.

> Após carta de presos, Justiça determina melhorias em penitenciária no Paraná

> Corregedoria apura denúncia de agressão e maus-tratos a detento do CMP

Na última quinta-feira (20), a governadora Cida Borghetti (PP), já nos últimos dias de governo, autorizou licitações para a construção das unidades de Ponta Grossa, Foz do Iguaçu, Guaíra e Londrina. A promessa é de 3 mil vagas no sistema prisional e a entrega, se não houver nenhum atraso, deve acontecer em um ano e meio, com investimento de R$ 84 milhões.

> Maioria das mulheres presas está em delegacias, diz CNJ

> Irregularidades em carceragem levam ao congelamento de R$ 1 milhão do governo do Paraná

Em entrevista recente à CBN Curitiba, o atual secretário de Segurança Pública, Júlio Reis, que assumiu a pasta em fevereiro de 2018, afirmou que um de seus desafios era a redução de presos nas delegacias e que isso agora ficará mais fácil, após a responsabilidade das delegacias ser repassada para o Departamento Penitenciário (Depen-PR).

O Governo do Paraná, ainda sob a gestão de Richa, adotou medidas para tentar amenizar a situação das delegacias, com a colocação dos chamados shelters (celas modulares), que liberaram apenas 684 novas vagas nas penitenciárias. Outra medida anunciada foi a aquisição de 6 mil novas tornozeleiras eletrônicas.

> Central de Flagrantes tem 122 presos em espaço para apenas oito

> Protesto pede a transferência de presos em delegacia cercada por escolas

Procurada, a Secretaria de Estado de Segurança Pública do Paraná (SESP), afirmou que “de acordo com o cronograma oficial, a Penitenciária de Campo Mourão e o Centro de Integração Social de Piraquara estão em fase final e a previsão de entrega das duas obras está prevista para o primeiro trimestre de 2019. Já a Penitenciária Estadual de Piraquara II tem previsão de entrega no início do segundo semestre de 2019, e a Penitenciária de Foz do Iguaçu deverá ser entregue em 2020”.