Em entrevista, Moro diz que não havia razão para adiar prisão de Lula

Folhapress

A entrevista já estava marcada antes da decisão de Moro de mandar prender o ex-presidente.

O juiz federal Sergio Moro, responsável pela Operação Lava Jato, respondeu às críticas feitas por apoiadores de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) de que foi muito açodado ao determinar o cumprimento da prisão do ex-presidente, na última quinta (5).

Moro deu uma entrevista nesta sexta (6) a uma emissora de TV chinesa, a CGTN America, pertencente à China Global Television Network, que transmite em inglês. Segundo o juiz, não havia razão para adiar o cumprimento da sentença. “Ele [Lula] foi condenado por lavagem de dinheiro e corrupção. É preciso executar a sentença. Simples assim. Não vejo qualquer razão específica para adiar mais”, disse o magistrado na entrevista, em Curitiba.

A entrevista já estava marcada antes da decisão de Moro de mandar prender o ex-presidente. O juiz admitiu que não se sente “confortável” em tratar do caso. “Eu recebi o ofício do TRF-4 [Tribunal Regional Federal da 4ª Região] ordenando a prisão e simplesmente a cumpri. Não tenho escolha se não cumprir a ordem”, afirmou Moro.

O juiz disse ainda que a prisão e condenação de Lula, são importantes, mas que é preciso olhar de maneira mais ampla para a questão da corrupção na Petrobras, origem das investigações da Lava Jato. “Acho que ainda está cedo para saber se ele vai se entregar ou se a polícia vai ter que realizar a prisão. Mas eles estão trabalhando”, afirmou o magistrado.

Entrevistas

Moro vem sendo atacado por partidários e advogados do ex-presidente Lula por não ter aguardado o julgamento de novos embargos de declaração na sentença que condenou o petista a 12 anos e 1 mês de prisão no caso do tríplex de Guarujá (SP). A decisão surpreendeu inclusive à Polícia Federal, que esperava que a ordem de prisão ocorresse apenas no início desta semana.

No momento em que a Operação Lava Jato completa quatro anos, Moro começou a se expor mais em entrevistas à televisão, hábito que nunca teve. Na semana passada, o juiz deu uma entrevista ao vivo ao programa “Roda Viva”,da TV Cultura, em que defendeu a prisão após a condenação em segunda instância e mandou um recado à ministra Rosa Weber, do STF, voto decisivo para a rejeição do habeas corpus para o petista na madrugada da última quinta (5). Moro foi assessor de Rosa no julgamento do mensalão

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="515893" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]