câmara de apucarana
Compartilhar

PF encontra R$ 122 mil na casa de Cândido Vaccarezza

Mariana Ohde, Andreza Rossini e Fernando GarcelO ex-deputado Cândido Vaccarezza, ex-líder do Partido dos Trabalhadores (..

Mariana Ohde - 18 de agosto de 2017, 11:08

Mariana Ohde, Andreza Rossini e Fernando Garcel

O ex-deputado Cândido Vaccarezza, ex-líder do Partido dos Trabalhadores (PT) na Câmara, preso nesta sexta-feira (18) na Operação Lava Jato, é suspeito de receber cerca de US$ 500 mil por contrato na Petrobras até 2011. Durante o cumprimento dos mandados, a Polícia Federal (PF) encontrou R$ 122 mil em espécie em sua casa. Ele estaria pagando despesas do Partido dos Trabalhadores (PT), envolvido no esquema de corrupção.

ANÚNCIO

Além do valor em espécie, também foram apreendidos relógios e outros itens de valor.

Segundo as investigações, Cândido Vaccarezza teria usado sua influência para favorecer a empresa norte-americana Sargeant Marine, que forneceu asfalto para a Petrobras entre 2010 e 2013. Além de Vaccarezza, o PT e o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras e delator Paulo Roberto Costa também teria sido beneficiado - ele teria recebido cerca de US$ 162 mil por cinco contratos.

Lava Jato: corrupção na Petrobras é “partidária”

ANÚNCIO

Falta de recursos levou PF a deflagrar duas fases no mesmo dia

As investigações do Ministério Público Federal (MPF) sobre o esquema de Vacarerezza tiveram início após a delação premiada de Paulo Roberto Costa. Os investigadores também colheram provas durante a 16ª fase da operação.

"Entre as provas que corroboraram o relato do colaborador estão, por exemplo, documentos que comprovam o pagamento de propinas mediante transferências bancárias no exterior, anotações de agendas e arquivos apreendidos em fases anteriores da Operação Lava Jato que descrevem a divisão de comissões resultantes do negócio dentre operadores, funcionários da Petrobras e políticos", informa o MPF em nota.

Operação Abate e Operação Sem Fronteiras

Nesta manhã, a PF deflagrou duas fases da Lava Jato - a 43ª e 44ª. As operações Sem Fronteiras e Abate foram deflagradas no mesmo dia, segundo a PF, para otimizar recursos. Três pessoas foram presas temporariamente, entre elas Vaccarezza e Marcio Ache, ex-gerente da Petrobras. Outras duas pessoas tiveram mandados de prisão expedidos, mas estão no exterior. Entre elas o ex-gerente da Petrobras Dalmo Monteiro e o representante da empresa Sargeant Marine, Luiz Eduardo Loureiro Andrade.

Operação Abate investiga fraudes no fornecimento de asfalto para a Petrobras pela empresa Sargeant Marine, entre 2010 e 2013. Operação Sem Fronteiras investiga o pagamento de propina em contratos com armadores gregos, entre 2009 e 2013. Os contratos com as empresas gregas somam US% 500 milhões.