Após exames, Cabral é transferido para Complexo Médico-Penal

Fernando Garcel


Após passar por exames no Instituto Médico-Legal (IML) de Curitiba na manhã desta sexta-feira (19), o ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral foi encaminhado para o Complexo Médico-Penal, em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, onde ficará preso. Ontem, o juiz federal Sérgio Moro e a juíza Caroline Vieira Figueiredo, do Rio de Janeiro, determinaram a transferência de Cabral após denúncias de que estaria recebendo regalias na Cadeia Pública José Frederico Marques, no Complexo Penitenciário de Benfica, na capital fluminense.

Defesa tentará impugnar transferência de Cabral para Curitiba

O ex-governador chegou ao IML por volta das 10h45. Com algemas nas mãos e pés, o ex-governador teve dificuldades para andar. No Complexo Médico-Penal, já estão detidos outros investigados na Lava Jato, entre eles, o ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha, o ex-presidente do Banco do Brasil e da Petrobras Aldemir Bendine.

Após a decisão dos magistrados, a defesa de Cabral afirmou que vai tentar impugnar a transferência do ex-governador para a Curitiba. Segundo o advogado Rodrigo Roca, o momento não é o ideal para a mudança do réu. Ele defende que os fatos que embasaram a decisão são baseados em fatos datados de outubro do ano passado. “O ex-governador tem interrogatório marcado para 27 de fevereiro [no Rio de Janeiro]. Se não havia urgência em outubro, por que descobriram urgência em janeiro as vésperas do interrogatório dele e enquanto os tribunais superiores estão fechados?”, questiona Roca.

Na decisão que determinou a transferência, Sérgio Moro cita a necessidade de garantir a eficácia da prisão preventiva. “É igualmente de interesse público prevenir os riscos de que continue ou venha a receber tratamento privilegiado na prisão. Assim como já decidi em relação ao ex-Deputado Federal Eduardo Cosentino da Cunha, mantê-lo distante de seu local de influência e de seus antigos parceiros criminosos revenirá ou dificultará a prática de novos crimes e ainda diminuirá o risco de que receba tratamento privilegiado na prisão”, afirma Moro.

Sérgio Cabral

Sérgio Cabral foi preso preventivamente em 17 de novembro de 2016, dentro da operação “Calicute”, resultado da ação coordenada entre as forças-tarefas da Lava Jato do Paraná e do Rio de Janeiro. Ele já foi condenado a 87 anos de prisão na Operação Lava Jato. No dia 10 de janeiro, a juíza substituta da 7ª Vara Criminal Federal do Rio Caroline Vieira Figueiredo abriu mais três ações penais contra o ex-governador, que passou a réu pela 20ª vez.

 

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="477576" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]