Operação Lava Jato
Compartilhar

MPF denuncia ex-diretor do DER e mais 17 investigados da Lava Jato

Dezoito investigados na Operação Integração – 48ª fase da Lava Jato, deflagrada no final de fevereiro – foram denunciado..

Metro Jornal Curitiba - 03 de abril de 2018, 06:04

Foto: Jonas Oliveira / ANPr
Foto: Jonas Oliveira / ANPr

Dezoito investigados na Operação Integração – 48ª fase da Lava Jato, deflagrada no final de fevereiro – foram denunciados ontem por crimes ligados à concessão de rodovias no Paraná.

ANÚNCIO

Segundo a acusação, o grupo Triunfo, controlador da concessionária Econorte, pagou propinas para conseguir privilégios nos contratos, incluindo cinco aditivos que elevaram as tarifas de pedágios nas três praças administradas pela empresa, no norte do Paraná.

O grupo Triunfo, segundo o MPF (Ministério Público Federal), usou operadores para lavar R$ 91 milhões, e parte deste dinheiro teria sido usado para pagar propinas a

agentes públicos.

Um dos beneficiados seria Nelson Leal Júnior, diretor do DER-PR (Departamento de Estradas de Rodagem) desde 2013. Ele foi afastado no dia da deflagração da operação e está preso. O ex-diretor tem negado todas as acusações.

ANÚNCIO

Ingressos para a Copa

Uma das formas pelas quais Nelson foi beneficiado, segundo o MPF, foi com um par de ingressos no camarote do grupo Triunfo no Estádio Mané Garrincha, em Brasília, no jogo Brasil x Camarões, pela Copa do Mundo 2014.

“Cada ingresso custou cerca de R$ 5 mil e as despesas de viagem foram pagas com recursos em espécie, poucos meses antes da aprovação de um aditivo favorável aos interesses do grupo econômico da Econorte”, diz o MPF.

Uma orientação da CGU (Controladoria-geral da União), à época, afirmava que era vedado a agentes públicos aceitar convite para eventos da Copa.

Outros 13 dirigentes do DER-PR, da Agepar (Agência Reguladora do Paraná), da ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) e de três secretarias estaduais do Paraná também ganharam ingressos. A Triunfo gastou R$ 2 milhões com os presentes.