Alvo da Lava Jato, diretor da Construbase se entrega à Polícia Federal

Jordana Martinez


Redação com BandNewsCuritiba

O diretor comercial da Construbase Engenharia, Genésio Schiavinato Júnior, se apresentou à Polícia Federal em Curitiba nesta terça-feira (05).  Ele é um dos investigados na 31.ª fase da Lava Jato, a Operação Abismo, deflagrada nesta segunda. Dos cinco investigados com mandados de prisão, apenas um ainda é procurado: o executivo Erasto Messias da Silva Júnior, da empresa Construcap Engenharia. Além de Schiavinato, estão presos o ex-tesoureiro do PT Paulo Ferreira, em São Paulo, o executivo da Schahin Engenharia Edison Freire Coutinho e o executivo da Capobianco Engenharia Roberto Ribeiro Capobianco, ambos em Curitiba.

Coutinho e Capobianco passaram por exames de corpo de delito no Instituto Médico Legal nesta manhã (5). De todas as prisões, apenas a de Paulo Ferreira é preventiva, válida por tempo indeterminado. Os demais investigados tiveram prisões temporárias decretadas, válidas por cinco dias. Na quinta-feira, os três presos temporários já detidos devem prestar depoimento à Polícia Federal. Nesta nova fase da Lava Jato, a força-tarefa investiga suspeita de crimes como fraudes licitatórias, formação de cartel e lavagem de dinheiro no contrato firmado com o Consórcio Novo Cenpes, para reforma do Centro de Pesquisas e Desenvolvimento da Petrobras, no Rio de Janeiro.

Para garantir a obra, o consórcio formado pelas empresas de engenharia OAS, Carioca, Construbase, Construcap e Schahin teria feito pagamentos de aproximadamente R$ 39 milhões em propina, de 2007 a 2012. Entre os suspeitos de ter recebido parte dos recursos ilícitos estão uma escola de samba, blogs e parentes de Paulo Ferreira. O ex-deputado federal e ex-tesoureiro do PT está preso há dez dias em decorrência da Operação Custo Brasil e teve nova prisão preventiva decretada na Operação Abismo. Do valor total de propina identificada, cerca de R$ 18 milhões teriam sido pagos à empresa W Torres Engenharia para que ela desistisse de concorrer à licitação. O restante do dinheiro teria sido distribuído para os operadores Alexandre Romano, Adir Assad, Mario Goes, Roberto Trombeta e Rodrigo Morales.

Previous ArticleNext Article
Jordana Martinez
Profissional multimídia com passagens pela Tv Band Curitiba, RPC, Rede Massa, RicTv, rádio CBNCuritiba e BandNewsCuritiba. Hoje é editora-chefe do Paraná Portal.