André Vargas vira réu na Lava Jato pela 3ª vez

Julie Gelenski


O juiz federal Sérgio Moro acolheu mais uma denuncia do Ministério Público federal (MPF), contra o ex- deputado federal André Vargas, do Paraná. É a terceira vez que ele se torna réu na operação Lava Jato.

Desta vez o MPF acusa Vargas de lavagem de dinheiro. Ele teria recebido mais de R$ 2 milhões em propinas desviadas de um contrato da Caixa Econômica Federal. Além de André Vargas, o irmão dele Leon Vargas, que possuía empresas com o irmão, o empresário Marcelo Simões, e a ex-contadora de Alberto Youssef, Meire Poza, também se tornaram réus na mesma ação penal.

A denúncia aceita por Sérgio Moro, acusa André Vargas de, na condição de deputado federal, atuar para a assinatura de um contrato de R$ 71 milhões entre a Caixa Econômica Federal e a empresa IT7, controlada por Marcelo Simões. Em contrapartida, o político teria recebido R$ 2,4 milhões em propina, os repasses foram feitos através de uma empresa de Meire Poza que, na época, trabalhava com o doleiro Alberto Youssef.

O montante foi sacado por Meire Poza e entregues em dinheiro vivo ao ex-deputado, seguindo as próprias orientações dele. Leon Vargas, irmão do ex-parlamentar, teria recebido um milhão e seiscentos mil reais, em espécie, no apartamento funcional de Vargas, em Brasília. Na época, o político era vice-presidente da Câmara dos Deputados.

Meire Poza confirmou a existência dessa operação ilegal feita por Andre Vargas. É primeira vez que a ex-contadora de Youssef se torna ré na operação, mas ela já prestou vários depoimentos contando como funcionava a lavagem de dinheiro nas empresas de fachada do doleiro.

 

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="401901" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]